Dois em cada três candidatos à Câmara de São Paulo são ''forasteiros''

Dos 1.077 candidatos a vereador em São Paulo confirmados pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), 713 são "forasteiros", ou seja, moram na capital, mas procedem do interior e de outros Estados. Entre os concorrentes, 86 nasceram no exterior e naturalizaram-se brasileiros. A autônoma Li Si Yuk, de 55 anos, a Weida Woo, do PPS, nasceu em Hong Kong, na Ásia. Durante seis anos trabalhou como assessora parlamentar na Câmara e pegou gosto. "Trabalhei 15 anos como voluntária social e quero contribuir." Ela conta que sua atuação não se restringe à zona leste, onde mora. "Trabalho a cidade toda." Os paulistanos mesmo são apenas 364 entre os candidatos. Entre os de fora, 346 são do interior e da Grande São Paulo, enquanto 367 vieram de outros Estados. Minas Gerais e Bahia são os Estados que mais forneceram candidatos à Câmara paulistana: 72 e 63, respectivamente. De Pernambuco vieram 36, do Paraná, 33 e do Ceará, 26. Por região, 203 são procedentes do Nordeste, 94 vieram dos outros Estados do Sudeste, 39 do Sul, 16 do Centro-Oeste e 13 dos Estados do Norte. Dois candidatos nasceram no Distrito Federal. Muitos identificam-se pela origem, como o Bahia Santos (PR), apelido de Jonatas dos Santos, nascido em Salvador (BA). Vilson Garcia, o gaúcho Garcia, do PSDC, é natural de Porto Alegre (RS). Já Hipólito Mestre da Bahia, do PSDC, é na verdade mineiro de Uberaba, e Flávio Carioca, do PDT, nasceu em Guaíra, interior de São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.