Dois coordenadores do MST são mortos em Pernambuco

Dois integrantes da coordenação do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) foram assassinados no município de Moreno, na Região Metropolitana do Recife. Segundo informações da Polícia Civil pernambucana e de líderes estaduais do MST, Josias Sales e Samuel Barbosa foram mortos a tiros, dentro do acampamento Alto da Balança, durante uma reunião com moradores da ocupação, que há seis anos vivem no local. Um dos autores do crime foi identificado apenas como Cícero, e estaria ligado a um grupo de agricultores que residia no acampamento. De acordo com testemunhas, desde o mês passado o clima no local estava tenso. O motivo era a falta de acordo entre a coordenação do MST e um grupo de acampados, em torno da desocupação da área - localizada as margens da BR-232, em troca do pagamento de uma indenização - proposta por uma empresa que está construindo um gasoduto na região. Parte dos acampados era favorável à proposta e não aceitou a determinação do MST de permanecer no local, a menos que a empresa se responsabilizasse pela doação de um terreno para a construção de um assentamento, além do pagamento de uma indenização coletiva, que seria aplicada na infra-estrutura do terreno. Após uma discussão acalorada, durante uma reunião para tratar o tema, Cícero e outros dois homens ainda não identificados teriam saído do local, retornando em seguida, já efetuando os disparos.O delegado de Moreno, Luiz de Oliveira, informou que de acordo com as investigações, pelo menos 15 acampados teriam migrado do MST para o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) em Pernambuco. "Temos informações preliminares de que um grupo teria optado por entrar no MTST na tentativa de mudar o caráter da ocupação, e, assim, fechar um acordo com a empresa responsável pela construção do gasoduto", disse o policial. Josias morreu no local. Samuel foi atingido por uma bala na cabeça enquanto tentava prestar socorro a Josias. Ele foi levado para o Hospital da Restauração, em Recife, mas não resistiu aos ferimentos. O coordenador estadual do MST, Jaime Amorim, esteve no local no início da tarde e lamentou o crime. "Os dois companheiros assassinados estavam no movimento há anos e eram nomes de extrema importância na luta pela reforma agrária em Pernambuco. Vamos acompanhar de perto as investigações e auxiliaremos no que for possível para que os culpados sejam presos e punidos", sentenciou Amorim. O caso está sendo investigado, conjuntamente, pelas delegacias de Homicídios e pela distrital de Moreno.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.