Doentes mentais desamparados terão bônus

Doentes mentais com longa permanência em hospitais e desamparados pelos parentes passarão a receber um bônus do governo, para ajudá-los a sobreviver e também a reintegrarem-se à família. O coordenador nacional de saúde mental do Ministério da Saúde, Pedro Gabriel Delgado, informou que o valor ainda não está estipulado, mas deverá ser o suficiente para garantir ao paciente o custeio de suas "necessidades mínimas". Estudos preliminares, diz, indicam que o "bônus" deveria ser de R$ 300,00. A meta inicial é beneficiar 4 mil pessoas com a complementação de renda, que deverá ser instituída dentro de três meses, quando o governo regulamentar a lei sancionada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso que dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais. O "bônus" é inspirado nos programas do governo que estimulam financeiramente a família a manter o filho de 7 a 14 anos na escola e em um outro já anunciado, mas ainda em fase de criação, destinado a melhorar a alimentação de gestantes e crianças menores de 6 anos. A diferença é que os valores do "Bolsa-Escola" e do "Bolsa-Alimentação" limitam-se a R$ 15,00 por beneficiário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.