Documentos sobre Paiva são 'reveladores', diz ministro da Justiça

Comissão da Verdade revelou que ex-deputado foi assassinado por três agentes do Exército

Rafael Moraes Moura, Agência Estado

07 de fevereiro de 2013 | 13h17

BRASÍLIA - O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse nesta quinta-feira, 7, que considerou "absolutamente reveladores" os novos documentos obtidos pela Comissão Nacional da Verdade, que esclareceram as circunstâncias da prisão do ex-deputado Rubens Paiva.

De acordo com o coordenador da comissão, Cláudio Fonteles, é possível afirmar "categoricamente" que Paiva foi morto nas instalações do DOI-Codi em janeiro de 1971. No final do ano passado, a comissão recebeu papéis encontrados na casa do coronel reformado do Exército Júlio Miguel Molinas Dias, assassinado em novembro de 2012 quando chegava em casa, em Porto Alegre.

Segundo Fonteles, Rubens Paiva foi morto sob tortura por três agentes do Exército nos porões do DOI-Codi. Um já estaria morto e outros dois devem ser convocados para depor.

Um outro documento, o informe nº 70 do DOI-Codi, explica como o ex-deputado foi levado de casa por agentes do Cisa, órgão de inteligência da Aeronáutica. O informe foi encontrado no Arquivo Nacional, em Brasília.

"Quando foi lançada a Comissão da Verdade, havia algumas pessoas céticas de que ela pudesse apresentar algum resultado e até quem dizia que era uma comissão que não acrescentaria nada do ponto de vista de fatos que já estavam sacramentados", disse Cardozo a jornalistas, após participar de cerimônia no Ministério da Educação (MEC) em que foi assinado cooperação técnica para inclusão de presos no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

"Esse fato (as novas informações sobre Rubens Paiva) mostra que a Comissão foi bem-vinda, (foi) iniciativa importante tomada pelo governo federal e aprovada por unanimidade no Congresso Nacional. Os brasileiros não podem conviver com uma sombra na sua história, a luz do sol é muito importante para esclarecer fatos, até para que eles não se repitam", completou Cardozo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.