Documentos na Suíça confirmariam propina no caso Alstom

Juíz federal suíço se recusa a dizer a quem foram feitos os pagamentos suspeitos já comprovados

AE, Agência Estado

21 de junho de 2008 | 09h15

A investigação sobre a empresa francesa Alstom na Suíça está perto da conclusão. O juiz federal suíço Ernst Roduner tem informações bancárias que demonstram pagamentos suspeitos por parte da Alstom a funcionários públicos estrangeiros. Mas, por enquanto, ele se recusa a dizer a quem foram feitos os pagamentos. "Convoquei testemunhas na França e na Suíça. O processo está praticamente em sua fase final", disse.  Veja também:  PT pede investigação de seis empresas no caso Alstom  Alstom vira parte em inquérito na Europa que apura propina Alstom pagou viagem de ex-secretário de Covas à França Apenas 6 entre 139 contratos foram considerados irregulares pelo órgão Alstom teria pago propina a tucanos usando offshoresAs testemunhas teriam confirmado o envolvimento da Alstom e o esquema de propina. O Ministério Público suíço tem provas de que o esquema usou pelo menos seis offshores para, em troca de contratos, pagar propinas que somam R$ 13,5 milhões a políticos de São Paulo entre 1998 e 2001, já no governo do PSDB. Segundo Roduner, a conclusão das investigações permitirá à Procuradoria Federal Suíça decidir se vai indiciar algum dos envolvidos. "Serão eles quem decidirão se haverá algum indiciamento. Só posso dizer que há muita gente envolvida", concluiu o juiz de Zurique.       As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Suiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.