Documentos desaparecem e Itu continua sem prefeito

O desaparecimento de 16 pastas com documentos da Câmara Municipal está impedindo que o presidente do Legislativo, João Ferreira Marciano (PPS), assuma a prefeitura de Itu. Desde o dia 11 deste mês, a cidade está sem prefeito. O secretário municipal de Justiça, Clóvis Michelin, responde interinamente pelo expediente. Marciano é presidente da Câmara e se nega a passar esse cargo ao vice, Benedito Roque (PSDC), enquanto as pastas não forem encontradas. Michelin assumiu o posto após uma licença médica de 60 dias, pedida pelo ex-ocupante do cargo, Carlos Alberto Sonsin Pinheiro (PSDB). Ele era o vice-prefeito e assumiu em razão da renúncia do então prefeito Lázaro José Piunti (sem partido). Na condição de interino, Michelin só poderia exercer o cargo por 15 dias. O prazo terminou sexta-feira.A posse de Marciano chegou a ser marcada, mas ele não compareceu. A alegação é de que não poderia deixar a presidência do Legislativo sem entregar ao sucessor as contas em dia. Para isso, precisa das pastas que sumiram. O presidente acusou seu vice pelo desaparecimento. Ele registrou a ocorrência na Delegacia da Polícia Civil e entrou com pedido de busca e apreensão dos documentos contra Roque. O juiz José Fernando Azevedo Minhoto autorizou buscas no gabinete, no escritório e na casa do vice, mas até ontem as pastas não tinham sido encontradas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.