Documentos confirmam que mensalão era operado no coração do governo, diz oposição

Segundo líderes na Câmara e no Senado, denúncia aponta que esquema ficava no coração do governo

Rosa Costa e Denise Madueño, da Agência Estado,

19 de agosto de 2012 | 18h42

A atuação de José Dirceu no comando da Casa Civil, exposta em documentos oficiais do Palácio do Planalto obtidos pelo Estado, confirma a denúncia do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, de que o mensalão era operado no coração do governo, segundo líderes de partidos de oposição na Câmara e no Senado.

Reportagem publicada ontem pelo Estado, com base em correspondências confidenciais, bilhetes manuscritos e ofícios cedidos com base na Lei de Acesso à Informação, retrata troca de favores entre governo e aliados, negociações de cargos na máquina pública por indicados políticos e ações que mostram o poder do então ministro em contraste à defesa de Dirceu no processo do Supremo Tribunal Federal (STF) de que ele não tratava de assuntos partidários.

Os líderes do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR), e do DEM, senador José Agripino (RN), afirmaram que as revelações comprovam a acusação do deputado Roberto Jefferson (PTB), cassado em 2005 e um dos 37 réus no processo do mensalão, de que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tinha conhecimento de todas as iniciativas do ministro e que Dirceu era o operador.

"Na verdade, quem tinha o comando era o presidente Lula; José Dirceu era o segundo", afirmou Dias. "Ele operacionalizava o que já tinha acertado com Lula". No mesmo tom, o líder Agripino ressalta que Dirceu atuava com o conhecimento prévio do presidente. "Roberto Jefferson acertou ao dizer que livrou o Brasil do José Dirceu", disse o senador. "O comandante do processo era José Dirceu com o aval de seu comandante Lula".

Irreal. Dias e Agripino argumentam que seria irreal imaginar que Dirceu encaminhava pedidos de nomeação, audiências nos ministérios e mantinha uma rede de informações sobre a atuação de outros integrantes do governo, como foi revelado na reportagem, "escondido" de Lula.

Os registros oficiais mostram que a então secretária de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, a hoje presidente da Petrobrás, Maria das Graças Foster, foi alvo de investigações e questionada pela Casa Civil sobre contratos da empresa do marido, Colin Foster, com a estatal.

"A cada dia vai se confirmando todo o esquema montado com o objetivo de tomar o poder e de se perpetuar a qualquer preço. Seja por troca de cargos, por dinheiro, por mensalão e por todo o aparato que não tem consistência republicana", disse o líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR). "O mensalão estava no coração do poder com o chefe da Casa Civil", completou.

Normal

O líder do PT na Câmara, Jilmar Tatto (SP), considerou normal a atuação do ministro revelada nos documentos. Ele argumentou que, na época, a Casa Civil acumulava as funções da pasta de Relações Institucionais, hoje comandada pela ministra Ideli Salvatti, responsável pela ponte política do governo com o Congresso. "Era uma das funções legais, institucionais da pasta de manter as tratativas com o Congresso. A Casa Civil é que negociava com a base de apoio", disse Tatto.

O líder petista também considerou normal o ofício emitido pela Casa Civil sob o comando de Dirceu sobre "supostas irregularidade havidas entre a Petrobrás" e a empresa do marido de Graça Foster. "Isso é corriqueiro na administração pública", afirmou.

 
Tudo o que sabemos sobre:
mensalão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.