Documento remonta ao 1º semestre de 2003, diz Almeida Lima

O senador Almeira Lima (PDT-SE) afirmou que o documento que vai apresentar no plenário do Senado hoje à tarde sobre o envolvimento direto do ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, com o caso Waldomiro Diniz não é importante apenas por seu conteúdo, mas porque remonta ao primeiro semestre de 2003 e, até o momento, nenhuma medida foi tomada pelo governo ou pelo ministro. Lima afirmou que o documento deve ser de conhecimento do Palácio do Planalto. "Se não for, foi prevaricação de quem o elaborou", disse ele, ao informar que o documento é oriundo de uma repartição pública federal, tem 15 páginas e foi enviado a ele. "Chegou às minhas mãos como chegava às mãos do PT quando (o partido hoje do governo) era oposição", disse. Ao ser questionado se o documento prova que Dirceu e Waldomiro Diniz eram sócios, Almeida Lima afirmou que o documento não é um contrato entre ambos: "não posso fazer esta afirmativa, nem sobre sobre se há uma sociedade formal ou informal entre ambos, sobretudo porque já viveram juntos", afirmou. O senador disse que não dará mais nenhum detalhe sobre o depoimento e promete falar à tarde, após a abertura da sessão, a partir das 14h30, embora não esteja inscrito previamente para falar hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.