Divulgação de dados em ano eleitoral preocupa IBGE

A divulgação de dados no ano que vem, quando haverá eleições em todos os níveis à exceção de prefeito e vereador, virou motivo de preocupação no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A principal dúvida recai sobre a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), ainda em fase de coleta de informações: seus resultados serão anunciados antes ou depois da votação em primeiro turno, em 6 de outubro de 2002? O presidente do IBGE, Sérgio Besserman, diz que ainda não há data definida. Isso será decidido até dezembro. Pela primeira vez, prevendo as pressões, o instituto vai tornar público na Internet o calendário de divulgação do ano seguinte. Tudo, segundo Besserman, em nome da transparência e com "risco zero" de adiamento.Maior pesquisa por amostragem da América Latina, a Pnad faz um raio-x da situação social da população, registrando taxas como a de mortalidade infantil, analfabetismo e acesso a saneamento básico. Por tratar-se de amostragem, seus dados valem para o País, os Estados e as regiões metropolitanas, mas não para municípios.No ano passado, quando ocorreram apenas eleições municipais, a Pnad foi divulgada em julho. Por que, então, não repetir o cronograma em 2002? "Temos que avaliar como está a infra-estrutura, a informática, os recursos humanos", responde Besserman. "Não posso correr o risco de marcar para o final de julho e depois, porque o orçamento está apertado e não deu para contratar todo mundo que a gente queria, ser obrigado a adiar na véspera da eleição.""Pré-condição"A divulgação da Pnad - e demais estatísticas produzidas pelo IBGE antes das eleições - é "pré-condição" para elevar o nível das campanhas eleitorais, avalia o diretor do Instituto Vox Populi, Marcos Coimbra. "O debate político tende a beneficiar-se da informação atualizada e confiável", diz Coimbra.É o que pensa também o cientista político Fábio Wanderley Reis, da Universidade Federal de Minas Gerais. "São informações relevantes para a opinião pública", afirma Reis, condenando qualquer motivação política que resulte no adiamento da divulgação. "A menos que haja razão técnica."Sérgio Besserman nega ser alvo de pressões políticas dentro ou fora do governo. Ele enfatiza que o IBGE está empenhado em anunciar os resultados da Pnad o quanto antes. Mas ressalva que o corpo técnico do instituto ainda trabalha o Censo 2000, cujas informações detalhadas continuarão sendo divulgadas no ano que vem. "Nosso objetivo é fazer a pesquisa, processá-la e divulgá-la o mais rápido possível", afirma o presidente do órgão.A coleta de dados da Pnad 2001 começou no mês passado e deverá durar até dezembro. Os pesquisadores visitarão 100 mil domicílios em todo o País. "É muito importante que todos os atores econômicos, sociais e políticos saibam, já em dezembro, que as pesquisas do IBGE serão divulgadas em tal dia de 2002, muito antes de termos qualquer noção sobre o resultado", conclui Besserman.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.