Divisão de poderes confunde eleitor

O governador Geraldo Alckmin venceu as eleições com mais de 50% dos votos nas urnas em nove das 11 cidades abastecidas pelo sistema Cantareira e que correm risco de sofrer racionamento de água. Na sexta-feira, o reservatório atingiu o índice de 5,1% de sua capacidade e já opera utilizando o final da primeira parte do volume morto - nome dado às reservas profundas do manancial.

O Estado de S.Paulo

12 de outubro de 2014 | 02h04

O Cantareira abastece 8,1 milhões de habitantes da capital e dos municípios da região metropolitana, como Franco da Rocha, Francisco Morato, Caieiras, Osasco, Carapicuíba, São Caetano do Sul, além de parte de Guarulhos, Barueri, Taboão da Serra e Santo André.

O desempenho de Alckmin foi menor apenas em Osasco e em Santo André, onde ele obteve 47,71% e 49,18% dos votos, respectivamente.

As pontuações de Alckmin mostram que a crise de abastecimento de água não gerou danos políticos ao governador. Para os tucanos, a oposição não fez o uso correto do tema durante a campanha. "Se Skaf e Padilha tivessem explorado o assunto com mais verdade talvez funcionaria. Mas eles demonizaram demais. Quiseram satanizar Alckmin com o assunto", afirmou Barros Munhoz, líder do governo na Assembleia. "Uma coisa é bater e a outra coisa é o povo acreditar. O Geraldo não deixou faltar água", disse Duarte Nogueira, presidente do PSDB-SP.

Do lado petista, a avaliação é de que a oposição precisa se "reinventar" em São Paulo. Líder da bancada do PT na ALESP, João Paulo Rillo afirmou que o eleitor paulista não sabe identificar as responsabilidades do Estado.

"É uma coisa a ser repensada pela oposição. O cidadão não identifica as responsabilidades do governo. Ele tem uma boa imagem que é completamente incompatível com a imagem do governo", disse o deputado. "Nós precisamos rever a nossa forma de fazer política no Estado. Nós precisamos apresentar um projeto claro. E criar capilaridade."

Em 2010, quando disputou o Palácio dos Bandeirantes com Aloizio Mercadante (PT) e não existia a crise de abastecimento de água, Alckmin perdeu para o petista nas cidades de Franco da Rocha, Francisco Morato, Osasco e Carapicuíba.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições2014Alckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.