Dívida de SP foi elevada por ´juros pornográficos´, diz Marta

A prefeita de São Paulo e candidata à reeleição, Marta Suplicy (PT), afirmou hoje que a dívida do município não é "impagável", mas levará tempo para ser paga. Durante entrevista no Grupo Estado, na série de Eleições 2004 no Estadão, ela reiterou que a elevação do valor, atualmente estimado em R$ 26 bilhões, foi motivada pelos "juros pornográficos", que teriam sido praticados pelo governo Fernando Henrique Cardoso."Não acho que ela (dívida) é impagável, no sentido que não vai se pagar. Ela tem que ser paga, mas vai demorar tempo para pagar. São 30 anos engessados e, provavelmente, isto, talvez, se prolongue", explicou."O grande responsável, sem esquecer a parte do Maluf (ex-prefeito Paulo Maluf), que começou a dívida, foram os juros pornográficos do período que antecedeu o Lula (presidente Luiz Inácio Lula da Silva). Quanto aos juros de hoje no País, todo mundo reclama, mas são os mais baixos dos últimos dez anos. Os juros na época do Fernando Henrique chegaram a 38%", observou.Marta disse que as metas, "corretamente planejadas" na Lei de Responsabilidade Fiscal, não conseguiram ser atingidas porque não se previu tal patamar da taxa de juros e que ela será a melhor pessoa para "sentar junto" com o governo e decidir a melhor forma para o pagamento da dívida."Isso vai ter que ser repensado. Eu não tenho usado a palavra renegociar. Tenho usado a palavra de que nós vamos sentar juntos e pensar a melhor forma para a cidade. Posso dizer que eu sou a melhor pessoa para esta renegociação", afirmou, lembrando da natural "sintonia" que possui com o presidente da República por pertencer ao mesmo partido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.