Evaristo Sa|AFP
Evaristo Sa|AFP

Distribuição de cargos para barrar processo tem pouco efeito

Estratégia acabou resultando no voto só do deputado responsável pela indicação ao cargo, e não de toda a bancada

O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2016 | 01h28

BRASÍLIA - A política de distribuição de cargos do segundo escalão do governo para barrar o impeachment na Câmara teve efeito reduzido. A votação do pedido contra Dilma Rousseff mostrou que não houve um apoio em peso dos parlamentares das bancadas contemplados com cargos. A transferência de votos restringiu-se ao apoio do responsável pela indicação do cargo.

A estratégia de lotear a máquina pública envolveu cargos com influência de movimentar R$ 38 bilhões em recursos do orçamento, conforme revelou o Estado no dia 10. O deputado Macedo (PP-CE) votou contra o impeachment. Foi ele o responsável por indicar recentemente o diretor-geral do Departamento Nacional de Obras contras as Secas (Dnocs), Antonio Iran Costa Magalhães, em substituição a Walter Gomes, bancada pelo PMDB. O órgão tem R$ 1,1 bilhão previsto para este ano, sendo R$ 373 milhões em investimentos.

“Na adversidade é que se conhece o caráter dos homens. Em respeito à minha família, à Constituição e por uma democracia plena no País, eu sou não”, anunciou Macedo, em plenário. O partido, contudo, não cumpriu nem de longe a promessa original de entregar ao menos 25 dos 45 votos favoráveis ao governo. A bancada, que posteriormente fechou voto a favor do impeachment, deu poucos em favor da presidente.

Mesmo tendo conquistado a bilionária presidência da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), o PTN – com 12 deputados – votou em peso contra Dilma. O líder da bancada, Aluísio Mendes (PTN-MA), responsável por indicar Márcio Endles Vale para a Funasa, votou contra. Mas, até o fechamento desta edição, oito deputados haviam votado desfavoravelmente à presidente. 

Nomeações. A atual e a ex-mulher do senador Jader Barbalho (PMDB-PA), as deputadas federais Simone Morgado e Elcione Barbalho, votaram a favor da presidente. O filho de Jader e Elcione, Helder Barbalho, é ministro da Secretaria de Portos e, recentemente, o senador emplacou um aliado, o ex-senador Luiz Otávio, na direção-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

O deputado Irajá Abreu (PSD-TO), filho da ministra da Agricultura, Kátia Abreu, votou contra o pedido. Irajá trabalhou intensamente nos últimos dias com a mãe para virar votos em favor do governo. Kátia, em caso de um governo Temer, não deve ficar na Esplanada. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.