Dissidentes do PT vão recorrer a notáveis para se defender

Os chamados radicais do PT vão recorrer a um time de notáveis para fazer suas defesas na Comissãode Ética do partido e prometem uma verdadeira guerra contra o enquadramento.Acusados de ?indiciplina partidária?, a senadora Heloísa Helena (AL) e os deputados João Batista de Araújo (PA), o Babá, e Luciana Genro (RS) terão na lista de testemunhas o jurista Dalmo de Abreu Dallari e o sociólogo Emir Sader, além do senador Eduardo Suplicy (PT-SP).A estratégia conjunta do trio radical foi acertada nesta terça-feira durante reuniãorealizada no gabinete de Heloísa Helena. Dallari disse que os parlamentares não podem ser punidos por manifestarem suas opiniões. ?Trata-se de um direito assegurado na Constituição?, argumentou.Para o jurista, os rebeldes são coerentes e têm razão quando se posicionam de forma contrária àtaxação dos servidores públicos inativos ? um dos pilares da reforma da Previdênciam proposta pelo governo de Luiz Inácio Lula da Silva. ?É inconstitucional, não há dúvida?, insistiu. ?Essa polêmica é muito desgastante, e o partido deveria procurar um entendimento.?Na reunião desta terça, os radicais decidiram amplificar as críticas às mudanças de posição do ministro da Casa-Civil, José Dirceu, e do presidente do PT, José Genoino, e vasculhar outras alterações de rota por parte dos moderados.Quando eram deputados, em 1999, tanto Dirceu como Genoino votaram contra a cobrança previdenciária dos aposentados.?Eles podem ter mudado de opinião, mas não podem obrigar os outros a fazer o mesmo?, defendeu Dallari. ?O grave é que, historicamente, o PT sempre teve posição contra esta cobrança?, completou o advogado que, embora não seja formalmente filiado ao partido, participou de suas principais decisões desde a fundação, em 1980.Suplicy foi na mesma linha de raciocínio e adiantou qual será a tática adotada pelo trioradical. ?Quando Genoino tinha a idade da Heloísa, também dizia coisas que eramconsideradas muito radicais, e o partido sempre lhe garantiu o direito de expressão?,observou o senador, que, ao lado das outras testemunhas, deporá perante a comissãono próximo dia 25. ?É só ver os arquivos.?Heloísa Helena passou esta terça-feira debatendo sua situação dentro do partido. ?Eu não quero ser expulsa?, gritou ela para Babá, durante reunião a portas fechadas em seu gabinete. Enquanto Babá, Luciana e o neo-radical João Fontes (PT-SE) passaram o dia distribuindo críticas à cúpula do PT e ao governo, a senadora procurou ser mais cautelosa.?Estou aplicando a teoria da pinça: fico com um pé na institucionalidade e outro nosmovimentos sociais?, disse Heloísa Helena ao Estado. ?O estatuto e a tradição do PTnão prevêem possibilidade de punição por opiniões.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.