Disputa por cargos deixa Ibama do MS sem comando

Há uma semana, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) está sem superintendente no Mato Grosso do Sul. A situação foi causada pela nomeação do novo dirigente do órgão sem a aprovação do governador André Puccinelli (PMDB). Para evitar a posse do agrônomo David Lourenço, ligado à ala radical do PT, Puccinelli mandou imprimir uma edição extra do Diário Oficial do Estado (DOE), que circulou sábado.Lourenço é funcionário público estadual, lotado na Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer), e estava cedido para o governo federal, na Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca (Seap). O governador do Mato Grosso do Sul publicou sábado no jornal, que, normalmente, sai durante os dias úteis, decisão convocando o agrônomo para retornar ao cargo de origem, e cancelando a portaria que o cedia ao órgão público federal. O líder do governo na Assembléia Legislativa, Youssif Domingos (PMDB), afirmou que "o governador foi desprestigiado". "A indicação tem de passar pelo crivo do governador e da bancada federal."O nome apresentado pelo PMDB para o cargo é do irmão do deputado Waldemir Moka (PMDB) Waldir Miranda de Britto, conforme conversa mantida em Brasília entre Puccinelli e o ministro de Relações Institucionais, José Múcio. Um outro impasse de disputa por cargos no Estado foi resolvido por Múcio com a substituição do superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Luiz Carlos Bonelli, confirmando para o cargo o professor universitário Flodoaldo Alves, indicado pelo senador Valter Pereira de Oliveira (PMDB-MS).A confirmação foi feita em plena série de protestos dos movimentos de sem-terra que apóiam Bonelli. As principais rodovias federais que cortam o Estado foram bloqueadas em pontos estratégicos pelos sem-terra, que também invadiram a sede do Incra em Campo Grande. No caso do Ibama, não houve resistência alguma em favor do ex-superintendente Nereu Pontes. Pontes afirmou: "Fui avisado por telefone. Estou exonerado desde quinta-feira da semana passada."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.