Disputa no Congresso vira caso de polícia

Até então restrita aos bastidores do Congresso, a disputa pelas presidências da Câmara e do Senado transformou-se em caso de polícia, com a descoberta, na semana passada, de um susposto "grampo" telefônico na casa do candidato a presidente da Câmara Inocêncio Oliveira (PFL-PE) e a tentativa de extorquir o candidato a presidente do Senado Jader Barbalho (PMDB-PA). Os dois casos estão sendo investigados pela Polícia Federal (PF). A tentativa de extorsão de Barbalho foi criticada até mesmo pelo presidente do Congresso, senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), arqui-rival do senador paraense. ACM considerou "absurda" a tentativa de extorsão e defendeu a punição para os envolvidos, que tentaram extorquir R$ 100 mil de Barbalho para destruir os originais do livro "Anatomia de um Corrupto - Eu Posso Falar", do jornalista Gualter Loyola, com denúncias contra o senador. Na última sexta-feira, a PF prendeu em flagrante um dos envolvidos no episódio, o gráfico Marcos Vieira Barreto, e está investigando a participação de outras pessoas na extorsão. Grampo Nesta segunda-feira, a PF informou que deve concluir até o fim da semana o laudo pericial do equipamento encontrado na casa de Inocêncio, que estaria sendo supostamente utilizado para escuta telefônica. O aparelho é um interceptador de comunicação, que capta conversas telefônicas e som ambiente e pode retransmiti-los a uma central, via rádio. Um grupo de peritos fará testes no aparelho para descobrir se o interceptador era utilizado como "grampo" ou apenas para captar conversas na residência de Inocêncio. O resultado desses testes indicará se Inocêncio foi ou não alvo de um grampo telefônico. Segundo fontes da PF, o laudo pericial do aparelho só deve ficar pronto no início da próxima semana. Mas os peritos sabem que o interceptador, apesar de suas características industriais, não é de tecnologia avançada, nem apresenta qualquer grau de sofisticação. A descrição feita pela PF indica que o radiotransmissor pode ser adquirido tanto no Brasil quanto no exterior, em lojas especializadas ou de equipamentos eletrônicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.