Discussão com sindicalistas sobre mínimo não avança

Não houve avanços na reunião entre as centrais sindicais e o relator do Orçamento Geral da União de 2011, senador Gim Argelo (PTB-DF), sobre o novo valor do salário mínimo. O relator informou que precisa administrar demandas de despesas adicionais ao Orçamento da ordem de R$ 30 bilhões, mas dispõe de apenas R$ 17 bilhões de receitas extras.

ROSANA DE CASSIA, Agência Estado

04 de novembro de 2010 | 12h41

O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, defende um salário mínimo de R$ 580 em 2011, o que representaria um gasto, além do previsto no Orçamento, de R$ 9 bilhões. "É questão de decidir como vai gastar os R$ 17 bilhões. Se é para melhorar o mínimo ou gastar em outras coisas", comentou o sindicalista.

Gim disse que pretende conversar na semana que vem com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente eleita Dilma Rousseff sobre o assunto. "Vamos chegar a um bom termo", afirmou o senador. Ele adiantou que propôs um mínimo de R$ 540 para o ano que vem, mas pretende alcançar os R$ 550, dependendo das negociações. A proposta do governo é de um mínimo de R$ 538,15.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.