Discurso de Sarney não resolve a crise, avaliam adversários

Para Álvaro Dias (PSDB-PR) discurso 'aplaca os ânimos, mas não resolve a crise'

Carol Pires, AE

05 de agosto de 2009 | 18h53

Senadores que defendem o afastamento de José Sarney (PMDB-AP) da presidência do Senado ouvidos pela Agência Estado reafirmaram sua posição após o discurso de defesa feito pelo senador na tarde de hoje.

 

Veja também:

som Ouça o discurso do presidente do Senado

link 'Ninguém na Casa sabia' sobre atos secretos, diz Sarney

linkSenado barra pagamento de contratados por ato secreto

linkSarney revalida 36 dos 663 atos secretos do Senado

especialA trajetória política de José Sarney

video O bate boca entre Renan Calheiros e Pedro Simon

video Fernando Collor manda Pedro Simon engolir o que disse

 

O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) afirmou que o discurso de Sarney "aplaca os ânimos, mas não resolve a crise." Sarney afirmou, no pronunciamento, feito da tribuna do plenário, que não sairá da presidência e se declarou vítima de perseguição. "Nunca faltei ou faltarei com o decoro parlamentar. Ainda mais eu, cidadão de vida ilibada e hábitos simples, ter falta de decoro? Acho que ninguém poderia me acusar. Sou vítima de uma campanha sistemática e agressiva", disse.

 

Na avaliação do senador Demóstenes Torres (DEM-GO), o discurso teve por objetivo levar o Conselho de Ética, que está reunido neste momento, a arquivar as 11 ações que recebeu contra Sarney. "Foi uma tática. O Sarney fala primeiro (antes da reunião do conselho) para fazer um arquivamento a todo custo", disse Demóstenes Torres. Ele afirmou que não mudou de ideia, com o discurso, sobre sua convicção da necessidade de afastamento de Sarney da presidência do Senado. "A minha idéia é fixa: nós temos que abrir investigação. As representações e denúncias estão evidentemente prontas para serem investigadas - o que não significa que todas serão julgadas procedentes. Mas não da pra arquivar sem fazer investigação como o governo quer."

 

Líder do DEM, o senador José Agripino Maia (RN) avaliou que José Sarney não foi convincente em sua explicação. "Para se defender, ele relembrou sua biografia e fez um vôo de pássaro sobre as acusações", disse Maia, referindo-se às passagens do discurso nas quais Sarney tentou desqualificar as denúncias apresentadas contra ele no Conselho de Ética. "Uma frase não desmente um elenco de acusações".

 

O senador Renato Casagrande (PSB-ES) também continua defendende a investigação das denúncias pelo Conselho de Ética. "Cabe ao Conselho de Ética aprofundar as investigações. Apesar de este conselho ser capenga, porque foi formado no meio da crise, então é um conselho maculado."

 

Em contrapartida, o líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), disse acreditar que os argumentos de Sarney foram "bons" e que, a partir de agora, o Conselho de Ética deve trabalhar para dar um desfecho às ações apresentadas contra o presidente do Senado. "Sarney colocou sua posição, colocou sua defesa, explicou alguns fatos, mas estes fatos serão agora analisados pelo Conselho de Ética, que é o foro adequado para tudo ser esclarecido", disse Jucá. E acrescentou: "Os argumentos são bons, ele detalhou procedimentos. É preciso que agora as representações sejam estudadas e analisadas."

 

No Conselho de Ética, senadores da base aliada ao governo e de apoio a Sarney ocupam dez das quinze vagas. Os governistas poderão, pelo voto, impedir a abertura de um processo contra José Sarney.

Tudo o que sabemos sobre:
DiscursoSarneySenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.