Discurso de Palocci agrada empresários

O primeiro discurso do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, desde que tem sido alvo de novas denúncias, agradou os empresários que foram à sede da Câmara Americana do Comércio (Amcham). Na avaliação do presidente da American Express e do Conselho de Administração da Amcham, Hélio Magalhães, o ministro Palocci acertou ao destacar que a economia do País não vai ser contaminada pela crise política. "Foi a mensagem mais importante e o que queríamos ouvir: a economia não vai sofrer com a crise política", declarou.Segundo ele, mais importante do que a permanência de Palocci no ministério será a continuidade do crescimento econômico do País e a geração de empregos. "Não quero falar em hipóteses sobre a saída de Palocci. O importante é que parece que a economia está no rumo certo", afirmou, ao acrescentar que sua percepção pessoal, após conversas com o ministro, é de que Palocci seguirá no comando da Fazenda.Profissionalismo"O ministro mostrou em seu discurso profissionalismo e atendeu exatamente a nossa expectativa", declarou uma diretora de agência de rating, que pediu anonimato.O vice-presidente da Sherwin Williams, Mark Pitt, destacou que o discurso do ministro era "previsível", ao indicar que o País manteria a rota de crescimento econômico. Pitt acrescentou que não considerava o discurso de Palocci "uma despedida". "Entendemos que qualquer troca de ministro seria muito ruim num período eleitoral", ponderou.Mais efusivo na defesa do ministro estava o empresário Sérgio Haberfeld, ex-presidente Dixie Toga, um dos principais defensores da campanha presidencial de Lula em 2002. "Palocci foi brilhante, e é triste termos uma tentativa de envolver a política com a economia. O ministro Palocci reconheceu que o trabalho de estabilização da economia foi iniciado pelo ex-ministro Pedro Malan, e, além disso, Palocci indicou estar pensando no Brasil e não em partido", avaliou. "Para mim, o discurso de Palocci soou como uma despedida".Haberfeld foi um dos participantes da mesa na qual Palocci almoçou, e, de acordo com os presentes, foi o empresário que mais entreteve a conversa, falando sobre histórias engraçadas ocorridas no meio empresarial. À Agencia Estado, Haberfeld relatou que a conversa com Palocci envolveu todos os assuntos, menos economia e política.Sobre a eventual saída de Palocci do ministério, Haberfeld também estimou que a economia do País não correrá grandes riscos. "Felizmente, graças a Deus, podemos hoje ter a saída de um ministro e isso não fará diferença, não mudará nada", analisou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.