Dirigentes do PSDB enterram prévias e consagram candidatura de Aécio

Tucanos reunidos em Brasília descartam eleição interna para definir nome do partido para disputar a Presidência

João Domingos e Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

06 de agosto de 2013 | 12h59

BRASÍLIA - Em mais uma etapa no processo de isolamento do ex-governador José Serra, os 27 dirigentes estaduais do PSDB consagraram a candidatura à Presidência do senador Aécio Neves, presidente nacional da legenda, em reunião realizada nesta terça-feira, 6, em Brasília. Com isso, sufocaram a possibilidade de realização de prévias para escolha do candidato.

"Nada de prévias. Não se falou disso em nenhum instante durante a reunião", afirmou o senador Cássio Cunha Lima (PB), um dos vice-presidentes nacionais do PSDB. As prévias têm sido defendidas por tucanos paulistas ligados a Serra.

Em resposta ao apoio recebido, Aécio Neves conclamou o PSDB a ir para as ruas debater um plano alternativo para tirar o PT do poder. Mas anunciou estar convencido de que a luta será pesada. "Estou com o couro duro preparado para a pancadaria", afirmou o senador mineiro aos dirigentes tucanos.

Mais tarde, durante entrevista, ele afirmou que, com a advertência, quis preparar o PSDB para o confronto com o PT. "Eu acho que uma campanha eleitoral, já percebemos isso claramente nas redes sociais, é uma campanha muito dura, sobretudo – eu nem generalizo – quando se enfrentam alguns setores ligados ao PT."

Aécio chegou ao local do encontro – a sede nacional do PSDB – cerca de duas horas depois do início da reunião. Ouviu de cada um dos presidentes estaduais do partido um relato de como está a situação em cada um dos Estados. A conclusão geral foi que o momento vivido hoje é melhor do que o de dois ou três meses atrás. Mas todos admitiram, ainda, que é preciso fazer muita coisa.

Nos Estados. "Não é fácil construir alianças, estando na oposição. Precisamos da influência dos senadores para que elas sejam garantidas nos Estados. Ainda não temos nenhuma coligação garantida em Pernambuco, por exemplo", advertiu o deputado Sérgio Guerra (PE), ex-presidente do partido.

Pela avaliação dos dirigentes tucanos, o PSDB tem possibilidades concretas de lançar candidatos a governador em pelo menos 12 Estados, além de outros cinco – São Paulo, Goiás, Paraná, Tocantins e Pará – onde concorre à reeleição.

Na avaliação dessas lideranças, o partido concorre com alguma chance de vitória em Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Roraima, Sergipe, Piauí, Minas Gerais e Amazonas.

Dois outros Estados, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, são considerados mais problemáticos – neles o partido tende mais a apoiar nomes de outras legendas que possam eventualmente estar do lado de Aécio na disputa presidencial.

Contra Serra. A recente movimentação política do ex-governador paulista – tanto dentro quanto fora do PSDB – para se viabilizar como candidato à Presidência em 2014 foi alvo de críticas de vários dirigentes tucanos. A maioria dos presidentes estaduais se definiu contra a realização de prévias para definir o tucano que disputará as eleições presidenciais do ano que vem.

"Não podemos cometer o erro cometido em eleições anteriores, de ficar na dúvida. Temos que definir antecipadamente nosso candidato para que ele possa correr o Brasil", completou Valdir Rossoni, dirigente do partido e também presidente da Assembleia Legislativa do Paraná.

Aécio tem mantido conversas com José Serra, defendendo a conveniência de que ele permaneça no PSDB. Ainda assim, no encontro de ontem ele aproveitou para, sem citar nomes, mandar recado ao ex-governador: "Ninguém solitariamente pode achar que vai ter a dimensão desse projeto. O partido é coletivo."

Em visita a Salvador (ver texto ao lado), Serra defendeu sua movimentação avisando que Aécio "nunca se colocou oficialmente" como presidenciável do partido. Afirmou ainda que o senador mineiro tem "bastante apoio" no partido mas que esse ainda não é um "assunto cravado" dentro do partido.

O ex-governador não se recusou a comentar, também, a possibilidade de mudar de legenda. "Não tive convites, mas há simpatias", admitiu. "Na hora que eu tiver um plano, eu anuncio."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.