Dirigentes de fundos passavam pela crivo da Casa Civil, diz ex-assessor

Em depoimento à CPI dos Correios, o ex-assessor da Casa Civil Marcelo Sereno negou que tivesse qualquer ingerência sobre transações e operações feitas por fundos de pensão de empresas estatais, mas admitiu que a indicação dos nomes dos dirigentes desses fundos passava pelo crivo da Casa Civil, que foi comandada pelo ex-deputado José Dirceu."Eu não acompanhava os fundos de pensão para saber o que cada um deles tinha na sua carteira de investimentos", disse Sereno, no depoimento que durou quase três horas para uma sala de sessões esvaziada. Além do sub-relator de Fundos de Pensão da CPI, deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (PFL-BA), participaram da sessão somente o deputado Carlos Abicalil (PT-MS), que se limitou a elogiar a performance de Sereno, e o senador Heráclito Fortes (PFL-PI), que permaneceu uns 10 minutos.

Agencia Estado,

10 de março de 2006 | 19h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.