Dirigente nega vínculo com sem-terra

O superintendente do Incra em São Paulo, Raimundo Pires da Silva, negou que o Instituto de Orientação Comunitária e Assistência Rural (Inocar) tenha vínculo com o MST. O fato de a empresa, contratada para prestar serviços de georreferenciamento em Itapeva, ter integrantes do movimento na diretoria, segundo Silva, não caracteriza nenhum vínculo.Ele também afirmou que o Inocar existia antes de ser iniciado o programa de georreferenciamento. Não foi feita licitação para a contratação, segundo suas explicações, porque não havia na região uma empresa capaz de realizar um serviço com esse volume. "É uma região de pequenos produtores e o instituto já fazia um trabalho com eles", afirmou.Ainda segundo Silva, o Inocar deve executar o trabalho até o final do ano. Os valores pagos, assegurou, estão abaixo dos preços de mercado.Auditores do TCU já estiveram no Incra verificando os contratos, mas ainda não se manifestaram. Amanhã a superintendência deve entregar os registros do georreferenciamento a agricultores de São João da Boa Vista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.