Dirigente do PMB é advogado de traficantes

Presidente estadual da legenda em São Paulo tem entre seus clientes "Nem", da Rocinha, e Anderson Rosa Mendonça, o Coelho

Pedro Venceslau, Daniel Bramatti, Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2016 | 05h00

Um dos responsáveis diretos pelas negociações do PMB com os pré-candidatos à Prefeitura de São Paulo é o presidente estadual da legenda, Jaime Fusco. Advogado criminalista com atuação concentrada no Rio, Fusco tem entre seus clientes os traficantes Antonio Francisco Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha, chefe da facção Amigo dos Amigos (ADA), e Anderson Rosa Mendonça, o Coelho.

Outro cliente famoso de Fusco é Luís Anderson de Azeredo Coutinho, o Anderson Bicheiro, suspeito de planejar o assassinato da juíza Patrícia Acioli, morta com 21 tiros em 2011.

Segundo a presidente nacional da sigla, Suêd Haidar, a atividade profissional do dirigente não causa constrangimentos ao PMB. “É a profissão dele. Ruim seria se ele não tivesse. Hoje em Brasília tem ministro que é advogado criminalista”, disse Suêd. Ela negou que o comentário seja uma referência ao ministro da Justiça, Alexandre de Moraes.

Em seu programa político, o PMB diz ser de “centro-esquerda” e que busca “o reconhecimento, a consolidação e a valorização da mulher, sem a exclusão masculina no cenário”. / R.G., D.B. e P.V.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.