Diretório Nacional do PT discute conjuntura política sem a presidente Dilma

Líderes do partido também vão produzir documento desaprovando o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) no grupo de trabalho da Câmara

DAIENE CARDOSO E VERA ROSA, Agência Estado

20 de julho de 2013 | 11h13

Os líderes do Diretório Nacional do PT se reúnem na manhã deste sábado na sede do partido em Brasília para discutir a conjuntura político-econômica e produzir um documento desaprovando o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) no grupo de trabalho da Câmara sobre a reforma política.

A presidente Dilma Rousseff, que havia sido convidada para participar da reunião, deve enviar uma carta justificando a ausência. A expectativa é que Dilma envie a carta por meio de um ministro. De acordo com fontes, ela também ligou para o presidente nacional da legenda, deputado estadual Rui Falcão (SP), externando a preocupação com a segurança do papa Francisco, que chega nesta segunda-feira, 22, ao Rio para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ). Dilma se reúne hoje no Palácio da Alvorada com ministros para discutir a segurança do Papa.

Os dirigentes da sigla começaram a chegar para a reunião por volta das 10 horas e um pequeno grupo de militantes da agremiação se concentrava na porta do diretório com cartazes criticando a postura de Vaccarezza, indicado coordenador do grupo de trabalho da reforma. Os petistas gritavam "Vaccarezza não nos representa" e pediam a saída dele da coordenação do grupo.

Após enterrar a proposta de plebiscito para reforma política, a Câmara criou esta semana um grupo de trabalho que deverá apresentar em 90 dias uma proposta de reforma. Na primeira reunião do grupo, Vaccarezza anunciou que a proposta a ser apresentada não deverá valer para as eleições de 2014, o que contraria o governo Dilma e o PT. Nesta sexta-feira, 19, o líder do PT na Casa, José Guimarães (CE), divulgou uma nota afirmando que as declarações de Vaccarezza não correspondiam às ideias da legenda.

Tudo o que sabemos sobre:
PTDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.