Diretório do PSDB em SP apóia candidatura de Alckmin

O Diretório do PSDB no Estado de São Paulo anunciou que vai apoiar a candidatura do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, à Presidência da República pelo partido. A informação foi dada pelo líder do governo na Assembléia Legislativa de São Paulo, deputado Edson Aparecido (PSDB), após o café da manhã dos 22 deputados estaduais do partido com Alckmin, na ala residencial do Palácio dos Bandeirantes. A comunicação a Alckmin foi feita pelo presidente estadual da legenda, deputado estadual Sidney Beraldo, durante o mesmo café da manhã.Aparecido informou que, por unanimidade, os parlamentares estaduais optaram pela candidatura de Alckmin, após consultas nos diretórios municipais, e que a decisão será comunicada ainda hoje ao presidente nacional do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), e ao prefeito da capital paulista, José Serra, outro pré-candidato do partido."O governador Alckmin reúne as condições naturais e favoráveis para ser o candidato do PSDB. Fizemos uma manifestação de apoio após consultarmos todo o partido", anunciou Aparecido. Assim, os deputados estaduais do PSDB praticamente inviabilizam o desejo de Serra de ser lançado candidato pela legenda por meio de "um chamamento", conforme relatou, na semana passada, o líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Jutahy Magalhães Junior (BA)."Não se trata de escolher entre um ou outro", disse Aparecido. "O governador Alckmin está há seis anos como vice-governador e outros seis anos como governador e tem 70% de aprovação. É o candidato natural", insistiu, ao recusar a análise de que a decisão poderá provocar um racha nos tucanos do Estado.Os deputados estaduais também disseram que a iniciativa de anúncio de apoio tem o objetivo de posicionar a direção nacional do PSDB sobre a preferência paulista. Eles negaram, entretanto, que tal posicionamento carregue consigo a mensagem de desautorização ao triunvirato encarregado pela escolha do candidato presidencial, formado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, e Tasso Jereissati."O sentimento que temos é que o partido precisa ser ouvido para a escolha e é isso o que está acontecendo", iniciou Aparecido. "Essa é a expressão majoritária do partido em São Paulo, mas respeitamos aqueles que têm posições diferentes", acrescentou, ao informar que a direção estadual aceitará a manutenção do apoio de deputados federais tucanos eleitos por São Paulo de apoio a Serra.Alckmin não concedeu entrevista coletiva, após o café da manhã, devendo atender a imprensa somente após a assinatura de um convênio com a Prefeitura de São Paulo, neste início de tarde, num evento no Palácio dos Bandeirantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.