Diretor-geral diz que PF está preparada para investigar grampo

Corrêa apresentou delegados da investigação ao presidente do STF e quer que ele deponha sobre o caso

Agência Brasil,

02 de setembro de 2008 | 19h05

O diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa, afirmou nesta terça-feira, 2, que a instituição "está pronta e preparada para realizar investigação na medida que a sociedade espera" das denúncias de gravações telefônicas ilegais de autoridades, conforme denúncia da revista Veja, em sua última edição.  Veja Também:Entenda as acusações de envolvimento da Abin com grampos  Lacerda saiu para mostrar transparência, diz LulaLíder do PT cogita envolvimento de Dantas Para Félix, é difícil comprovar grampo na Abin Garibaldi manda apurar se grampos partiram do SenadoGrampo telefônico é inaceitável, diz assessor da PresidênciaGoverno nomeia substituto de Paulo Lacerda na direção da AbinSecretário é o novo responsável temporário pela AbinSupremo quer que Lula esclareça grampos da Abin, diz Mendes Corrêa apresentou esta tarde ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, os delegados que vão trabalhar no inquérito aberto na última segunda para investigar se a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) faz interceptações telefônicas de autoridades ilegalmente.  Corrêa informou que além de apresentar os delegados, acertou um agendamento com a assessoria do ministro para que ele deponha no inquérito, dentro da conveniência e da prerrogativa que ele tem como dirigente da mais alta corte de Justiça.  O diretor da PF disse que deixou o ministro a vontade para indicar um emissário a fim de acompanhar as investigações, "que serão feitas da forma mais transparente possível e com o maior rigor técnico". O inquérito vai ser presidido pelo delegado William Murad e terá como supervisor o delegado Rômulo Berredo, chefe de Polícia Fazendária da PF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.