Diretor dos Correios se demite, mas contratos com MTA serão mantidos

Coronel Eduardo A. R. Silva é ligado a empresa que presta serviço de transporte de carga aérea

Karla Mendes/Brasília, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2010 | 16h34

O presidente dos Correios, David José de Matos, entregou nesta segunda-feira, 20, a carta de demissão do coronel Eduardo Artur Rodrigues Silva do cargo de diretor de Operações da estatal ao ministro das Comunicações, José Artur Filardi. "Só entreguei a carta", disse Matos, após o encontro com Filardi.

 

Veja também:

especialLeia a íntegra da carta de demissão de diretor

especialDiretor de Operações dos Correios monta esquema no transporte aéreo

 

Indagado sobre os contratos com a Master Top Linhas Aéreas (MTA), Matos explicou que são quatro contratos com validade de um ano, no valor de cerca de R$ 60 milhões, que serão mantidos. "A empresa ganhou a licitação, não tem porque romper os contratos, a empresa está funcionando regularmente", disse. Por fim, ele colocou à disposição da imprensa a documentação dos contratos firmados pela estatal com a MTA. "Os Correios não têm nada a esconder", disse.

 

Na edição desta segunda de 'O Estado de S.Paulo', o ministro havia informado que pediria esclarecimentos ao presidente dos Correios e ao ex-diretor sobre as informações veiculadas pela imprensa das relações do coronel com empresas aéreas. O coronel não compareceu à audiência com o ministro, alegando estar muito abalado emocionalmente. "Ele está com a família muito abalada", disse Matos.

 

Questionado sobre a justificativa dada na carta de demissão, o presidente da estatal afirmou que o ex-diretor disse que tinha expectativa de ajudar os Correios com sua experiência no mercado de aviação, mas que essa expectativa havia sido frustrada, razão pela qual ele solicitou o desligamento da empresa.

 

Entenda o caso

 

Na primeira reportagem sobre o caso, dia 29 de agosto, o Estado revelou conflito de interesses por trás da nomeação do coronel Artur. Ele assumiu um cargo que administra as contratações das empresas privadas que prestam serviços de transporte de carga aérea para os Correios, mesmo tendo presidido a Master Top Linhas Aéreas (MTA). A empresa tem contratos no valor de R$ 60 milhões com os Correios. Ao assumir, no dia 2 de agosto, o coronel entregou o comando da MTA à filha, Tatiana Blanco, o que deixou o diretor na condição de contratante e contratado.

 

Na edição de domingo, 19, o 'Estado' revelou que o coronel Artur é testa de ferro do empresário argentino Alfonso Conrado Rey, verdadeiro dono da MTA. Este se beneficiava do tráfico de influência feito em seu favor por Israel Guerra, filho da ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra. Quando a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) suspendeu a licença de voo da MTA, foi Israel quem conseguiu, numa operação que juntou tráfico de influência e cobrança de propina - como mostrou a Veja da semana passada - a certificação da transportadora.

 

Ex-coronel da Aeronáutica, Artur faz parte de um grupo de executivos e advogados que tem uma rede de empresas de fachada espalhadas por Uruguai, EUA e Brasil. Eles movimentam dinheiro para um casal de laranjas brasileiros, como provam documentos do Banco Central.

 

Os documentos mostram também que o grupo trabalha para fazer da MTA o embrião da empresa de logística e carga aérea que o governo Lula promete criar após as eleições, um negócio de cerca de R$ 400 milhões.

 

Ainda segundo o documento, o coronel Artur se envolveu pessoalmente no esquema montado para viabilizar a MTA no Brasil com recursos externos e driblar a legislação, que é clara: o capital estrangeiro não pode superar 20% em empresas aéreas. Por isso, foi criada, de 2005 para cá, a rede com pelo menos seis empresas de fachada com sede em apenas dois endereços: em Campinas e em Montevidéu, no Uruguai. Em outra ponta, sustentam o esquema empresas com sede nos EUA, ligadas a Rey. Atualmente, a MTA é dirigida no Brasil pelo peruano Orestes Romero. Mas no papel os ex-sogros da filha do coronel, Tatiana Silva Blanco, são os donos, na condição de "laranjas".

 

Ao Estado, o coronel desabafou: "Eu tenho 61 anos e estou saindo frustrado, por não poder passar meus conhecimentos para a empresa. Tudo que eu queria era consertar a rede postal noturna, sei que posso deslanchar o departamento de logística (da estatal)". Disse que seria "a primeira vez" que um aviador chegaria à direção da empresa.

 

"Eu poderia mudar a rede postal noturna, mas perdi a vontade. Não quero mais ir lá", disse, ao fim de seus 48 dias na estatal. O presidente da ECT antecipou que não iria tentar impedir a saída do coronel Artur. "Pedir para quê? Não vale a pena. Não adianta dizer a verdade (para a imprensa)", afirmou David Matos. "Vou chamar os dois para virem ao ministério nesta segunda, para conversar", disse Filardi.

 

"Família destroçada"

 

O coronel observou que não está se desligando da empresa "com medo de A, B ou C" ou em função das denúncias. "Se a minha família não estivesse destroçada emocionalmente, eu ia continuar lá. Não fiz nada de errado." Trazendo à memória o caso da Escola de Base, em São Paulo, o coronel prosseguiu: "Vocês acabaram com a minha vida. Não durmo direito e, quando falo com a minha mulher e minha filha, os olhos delas se enchem de água. Não aguento mais."

Ele admitiu conhecer o empresário Alfonso Conrado Rey, mas negou que seja seu "testa de ferro" na MTA. "Nunca fui dono, nem presidente, nem sócio da MTA. Me mostre qualquer documento que prove isso. Estou pronto para responder qualquer investigação". Ele negou ainda que tenha sido convidado por indicação de Roberto Teixeira, compadre do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A indicação, garante, partiu do senador Leomar Quintanilha (PMDB-TO). Leomar nega essa informação.

 

PONTOS-CHAVE

Nomeação

No dia 2 de agosto deste ano, o coronel Eduardo Artur Rodrigues assumiu a diretoria de Operações do Correios, numa "reformulação administrativa" comandada por Erenice Guerra

 

"Direto da Fonte"

Na mesma semana, a colunista do "Estado" Sonia Racy revelou a influência do coronel para viabilizar a constituição da empresa cargueira Master Top Linhas Aéreas (MTA)

 

Laranjas

A MTA foi registrada em nome de Anna Rosa Pepe Blanco Craddock e Jorge Augusto Dale Craddock, mas o verdadeiro dono é o empresário argentino Alfonso Conrado Rey

 

Esquema

No domingo, 19, o "Estado" revelou que o coronel é testa de ferro de Alfonso e faz parte de um grupo de executivos que tem uma rede de empresas de fachada espalhadas pelo Uruguai, Brasil e EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.