Diretor do Dnocs é preso pela Polícia Federal

O diretor geral do Departamento Nacional de Obras contra a Seca (Dnocs), José Francisco dos Santos Rufino, foi preso hoje de madrugada, no aeroporto de Fortaleza, e levado para a sede da Polícia Federal. Como tem nível superior (é engenheiro civil), ele ficou na sala de assistência médico-social da PF. Teve ainda direito a regalias, como telefone celular e a companhia de assessores. O mandado de prisão foi assinado pelo juiz substituto da décima primeira vara da Justiça Federal, Marcos Mairton da Silva.Rufino foi preso por não ter cumprido ordens judiciais, que determinavam o pagamento de precatórios nos anos de 1999 e 2000. Os processos tiveram origem no Distrito Federal e nos Estados da Bahia, Piauí e Minas Gerais. As dívidas são referentes a indenizações por áreas desapropriadas para a construção de barragens, de direitos trabalhistas e incorporações salariais de 16 servidores do Dnocs.José Francisco Rufino considerou sua prisão injusta. De acordo com o chefe de gabinete do Dnocs, Ronaldo Santiago Nunes, dos 16 processos trabalhistas, dez já foram pagos. "Estamos aguardando recursos do Tesouro Nacional para liquidar o restante", informou Nunes. Segundo ele, a dívida total era de R$ 526 mil, faltando R$ 100 mil para serem pagos. O procurador geral do Dnocs, Fernando Freire, viajou de manhã a Brasília para obter, junto ao Superior Tribunal de Justiça, um habeas-corpus para libertar Rufino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.