Diretor de programação é demitido da TV Brasil

O diretor de Programação e Conteúdo da TV Brasil, Leopoldo Nunes, foi demitido na sexta-feira pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que gere a rede pública de televisão. O desligamento ocorreu no mesmo dia em que Nunes fez críticas ao desenvolvimento da TV Brasil e à presidente da EBC, Tereza Cruvinel. A empresa nega que o desligamento tenha relação com as declarações.

AE, Agencia Estado

28 de abril de 2009 | 08h48

O ex-diretor destilou uma série de acusações em entrevista veiculada no site da "revista Fórum". Nos trechos mais contundentes, ele ressaltou exemplos de ?ineficiência de gestão? da rede. Segundo Nunes, a TV Brasil ?rasgou R$ 100 milhões em editais? e devolveu R$ 18 milhões aos cofres públicos ?que viraram superávit primário?. O ex-diretor responsabilizou Tereza. Para ele, a presidente da EBC ?não tem experiência em gestão?. ?Ela quer fazer hegemonia. Ela quer fazer a TV dela, não a pública. Infelizmente, do jeito que está o projeto da TV pública, não sai?, atacou.

A EBC respondeu, por nota, que o ex-diretor foi demitido em 13 de abril, antes da publicação da entrevista. Segundo a empresa, Nunes recebeu um prazo de 15 dias para o desligamento. ?Como este prazo expiraria nesta segunda-feira, 27 de abril, na sexta-feira, dia 24, a diretora-presidente pediu a seu chefe de gabinete que informasse Leopoldo que encaminharia ao Conselho de Administração, nos termos da Lei 11.652 e dos Estatutos da EBC, o pedido de sua destituição?, relatou. A empresa classificou ainda como ?falaciosa e desonesta? a acusação de que teria ?rasgado R$ 100 milhões em editais?. O dinheiro, de acordo com a EBC, era destinado a dois projetos ?frustrados por razões legais?. Avisou que cumpre ?ritos e leis, procedimentos e prazos e acolhe diretrizes estratégicas da empresa?. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
TV Brasildemissãocríticas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.