Diretor da Unesco diz que projetos de alfabetização precisam mudar

O Brasil precisa ampliar e redefinir seus programas de alfabetização de jovens e adultos se quiser mudar a realidade de 17,6 millhões de pessoas - 12,8% da população - que ainda não sabem ler nem escrever. A avaliação é de Adama Ouane, diretor do Instituto de Educação da Unesco, órgão voltado para a alfabetização de pessoas com mais de 15 anos. Entusiasta do Programa Alfabetização Solidária - organização não-governamental custeada pelo governo federal e pela iniciativa privada -, Ouane classifica o projeto como "notável", mas diz que o Brasil precisaria agora criar ações diferenciadas de educação. O índice de analfabetismo caiu de 19,7%, em 1991, da população para 12,8%, em 2000. Leia mais no O Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.