Diretor da Previ confirma ação de Ricardo Sérgio na venda da Telebrás

Um depoimento prestado nesta sexta-feira ao Ministério Público Federal pode começar a esclarecer a participação dos fundos de pensão no processo de privatização do sistema Telebrás. O diretor de seguridade da Previ ? fundo de pensão do Banco do Brasil ?, Henrique Pizzolato, disse que o ex-diretor do BB, Ricardo Sérgio de Oliveira, foi quem apresentou a proposta da formação do Consórcio Brasil, que arrematou parte do lote das teles, à instituição, mesmo depois de a Previ ter feito um acordo com o banco Opportunity.No depoimento prestado ao procurador da República, Luiz Fernando de Souza, o diretor da Previ contou que havia uma pressão do BNDES em favor do Opportunity, mas os argumentos eram rebatidos por Ricardo Sérgio. ?Na véspera do leilão da Telebrás, havia muita dúvida sobre a definição dos consórcios. Carlos Jereissatti ? que liderava o Consórcio Brasil ? esteve na Previ confirmando que entregaria o envelope para o leilão e queria saber se a instituição, mesmo tendo dado preferência para o Opportunity, estaria disposta a participar do Consórcio Brasil, na hipótese do mesmo sair vencedor?, disse Pizzolato. A resposta do Previ foi afirmativa, segundo o diretor.Mas, segundo Pizzolato, até o dia do leilão, a Previ não havia recebido os documentos sobre a formação dos consórcios e a alegação de parte da diretoria da instituição informava que as decisões eram sigilosas, para evitar vazamentos. Mas, mesmo após a realização do processo de privatização, os documentos ainda demoraram a ser entregues e, quando isso aconteceu, estava com irregularidades, o que provocou uma auditoria interna.Procuradores também estão ouvindo funcionários e diretores do banco Opportunity para saber como foram as negociações entre a Previ e a instituição e porque houve mudança na participação em favor do Consórcio Brasil. ?Temos uma informação importante de que pode ter havido vazamentos. Um documento, que estamos recebendo na próxima semana irá esclarecer este fato?, afirmou Luiz Francisco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.