Diretor da Câmara diz que aparelho é "grampo"

O diretor-geral da Câmara dos Deputados, Adelmar Sabino, disse há pouco, ao deixar o apartamento do líder do PFL, deputado Inocêncio Oliveira (PE), que a Polícia Federal deverá dizer, ainda nesta quinta-feira, de que tipo de grampo o deputado - que encontrou uma caixa preta no telefone de sua sala - foi vítima. "Que é grampo, é", assegurou Sabino, adiantando que agora os técnicos deverão dizer que tipo de escuta é. Trata-se, segundo ele, de um grampo sofisticado que não só capta as conversas telefônicas como também as conversar no ambiente em que se trava o telefonema. Sabino disse que Inocêncio não tem idéia de quem entrou no apartamento, pois ele fica vazio e fechado quando o deputdao não está em Brasília. Só há uma diarista que vai ao apartamento quando o deputado se encontra na capital federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.