Direitos humanos estão na agenda de Bush no Brasil

O subsecretário de Estado americano para o Hemisfério Ocidental, Thomas Shannon, disse em Washington nesta quarta-feira, durante uma coletiva na sede do Departamento de Estado, que a situação dos direitos humanos no Brasil deve ser um dos temas discutidos durante a visita do presidente George W. Bush ao Brasil. O líder americano chega ao Brasil nesta quinta-feira e se encontra com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no dia seguinte. Ele virá acompanhado da secretária de Estado, Condoleezza Rice, e do próprio Shannon."Os direitos humanos são um importante componente da democracia. E direitos humanos sempre integram a nossa agenda. É de se supor que esses temas poderão e provavelmente serão levantados", afirmou Shannon, em resposta a uma pergunta da BBC Brasil.Na terça-feira, o Departamento de Estado divulgou o seu relatório anual sobre a situação dos direitos humanos em diferentes países mundiais. Segundo o documento, o Brasil conta com um elevado número de mortes e torturas cometidas por forças policiais; demonstra inabilidade em proteger testemunhas de crimes e não pune policiais acusados por supostas ações criminosas.O documento lista ainda como práticas corriqueiras ataques contra membros da imprensa cometidos por autoridades locais e pelo crime organizado e atos de violência praticados contra mulheres, crianças e representantes de minorias. "Inaceitável"O Itamaraty classificou o relatório americano de "inaceitável". De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, "relatórios elaborados unilateralmente por países, segundo critérios domésticos", em muitas ocasiões seguem "inspiração política".Na terça-feira, Barry F. Lowenkron, o secretário-adjunto do Departamento de Estado responsável pela área de direitos humanos, disse à BBC Brasil que a trajetória dos direitos humanos no Brasil é "positiva", em contraste com a da Venezuela, que, segundo ele, vem se deteriorando.Segundo Lowenkron, o Departamento de Estado não espera de nenhum país uma conduta ilibada em termos direitos humanos. De acordo com ele, o que a secretária de Estado americano, Condoleezza Rice, busca é que os países demonstrem estar no caminho certo em termos de direitos humanos. Lowenkron disse que "mesmo estando ciente de todos os problemas com o Brasil, o país permanece sendo um de nossos principais parceiros e amigos". Em editorial publicado na edição desta quarta-feira, o jornal The New York Times diz que o presidente Bush precisa apontar "os desempenhos desiguais em direitos humanos de aliados como a Colômbia e a Guatemala".De acordo com o jornal, se Washington não criticar Colômbia e Guatemala, poderá ser acusada de usar dois pesos e duas medidas ao criticar a política de intimidação e perseguição de adversários promovida pelo presidente venezuelano, Hugo Chávez.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.