Direção do conselho pede extinção da ação

Na noite de quinta-feira, o presidente do Cremesp, Henrique Carlos Gonçalves, esteve espontaneamente na sede do Grupo Estado para tentar se explicar. Na ocasião, Gonçalves anunciou que havia recuado e entrado com pedido de extinção da ação na 10ª Vara de Justiça Federal de São Paulo. A petição foi protocolada na quinta-feira e entrou no processo ontem - mas até as 19h, quando o cartório encerrou os trabalhos, o juiz titular da 10ª Vara, Danilo Almasi Vieira dos Santos, não havia tomado uma decisão. O Grupo Estado, portanto, continua sob censura. Durante a reunião no Grupo Estado, Gonçalves afirmou que o Cremesp havia protocolado a ação depois da entrevista com o repórter. Questionado ontem, o Cremesp afirmou que às 11h22 foi feito um protocolo de distribuição de pedido de liminar, que podia ser ou não levado adiante. E que isso aconteceu às 16h30, após a entrevista. A liminar foi concedida às 16h38.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.