Dirceu rebate críticas de Aleluia sobre Greenhalgh

O ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, disse hoje que o líder do PFL na Câmara, José Carlos Aleluia (BA), não tem "autoridade moral" para acusar o governo de interferir nos trabalhos da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Ontem, em sessão na CCJ, Aleluia afirmou que o governo "enquadrou" o presidente da comissão, Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP), exigindo a redução do prazo de tramitação das propostas de reformas constitucionais. "Ele (Aleluia) acha que nós aplicamos os mesmos métodos que ele", rebateu Dirceu.Aleluia reagiu, afirmando que a declaração de Dirceu mostra que "o PT esperava governar o Brasil sem oposição. "Não vou discutir a moral nem do ministro nem do governo. O que falta a eles é coerência, e estão vivendo da contradição exposta na sua própria base. Não vamos nos intimidar." AdesãoJosé Dirceu negou que o governo estimule a adesão de parlamentares da oposição aos partidos da base aliada no Congresso. "É público e notório que isso não é fato, o governo não faz isso", afirmou. Ontem, o ministro recebeu na Casa Civil o líder do PTB na Câmara, deputado Roberto Jefferson (RJ), que lhe comunicou a adesão de seis deputados federais de Pernambuco ao Partido Trabalhista Brasileiro, integrante da base aliada governista. Os seis deixaram PFL, PMDB e PSDB para entrar no PTB. Jefferson saiu do encontro dizendo ter recebido garantias da Casa Civil de que o apoio dos parlamentares ao governo Lula não representa compromisso com o PT para as eleições municipais do próximo ano. Dirceu argumentou que a filiação dos parlamentares ocorreu por motivos regionais. Com as adesões, a bancada governista na Câmara passou de 251 para 256 deputados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.