Dirceu quer rapidez no julgamento do mensalão pelo STF

O ex-ministro José Dirceu disse hoje que espera que o julgamento do processo do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal (STF) ocorra com a maior rapidez possível. "É a única coisa que peço, mais nada. Que me julguem nos autos. Porque juízo político já tive na Câmara dos Deputados, e eu fui cassado sem provas, como, aliás, o tempo está mostrando", afirmou. Dirceu é réu no processo do mensalão, em que é chamado pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, de "chefe da quadrilha".

SERGIO TORRES, Agência Estado

13 de setembro de 2011 | 17h14

Em palestra no seminário sobre petróleo produzido pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China, o ex-ministro cobrou do governo da presidente Dilma Rousseff mais investimentos nas Forças Armadas. Ele defendeu a modernização do Exército e da Marinha. Disse ainda que o Brasil precisa fabricar "mísseis de defesa" e voltar a produzir caças de guerra para a frota da Aeronáutica. "Um país da dimensão do Brasil não pode deixar de ter um poder militar defensivo tecnologicamente avançado", afirmou.

Apontado por engano como representante da Casa Civil no programa do seminário, ele fez elogios aos governos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que "transformou o Ministério da Defesa em realidade".

Além da cobrança de mais investimentos nos setores militares, Dirceu criticou o cenário educacional no País. Segundo ele, a educação é "uma tragédia". "Ela (a educação) ainda está no século passado", complementou ele, para quem "o Brasil tem que eliminar a pobreza até 2022", pois "é uma vergonha um país com riqueza e desenvolvimento ter ainda o índice de pobreza que temos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.