Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Dirceu pede acesso às delações de Pessoa e de Pascowitch

Defesa de ex-ministro da Casa Civil que conferir o teor dos depoimentos dos dois delatores

BEATRIZ BULLA E TALITA FERNANDES, O Estado de S. Paulo

03 de julho de 2015 | 20h17

Brasília - A defesa do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu entrou com dois pedidos na Justiça para ter acesso aos depoimentos de dois delatores da Operação Lava Jato, o do lobista Milton Pascowitch e o do dono da UTC, Ricardo Pessoa, segundo confirmaram os advogados. 

O pedido de acesso ao depoimento de Pessoa foi encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF). Na última semana, o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato na Corte, homologou a delação feita pelo empreiteiro. De acordo com reportagem da revista "Veja", Pessoa disse à Justiça que a UTC Engenharia pagou R$ 3,2 milhões à consultoria de Dirceu por serviços não prestados.

Já a solicitação de acesso à delação de Pascowitch foi encaminhada à Justiça Federal no Paraná, onde o acordo de delação foi firmado. O lobista apontou supostos repasses de propinas para o ex-ministro nos depoimentos, com pagamento de R$ 1,45 milhão pela empresa Jamp Engenheiros Associados, da qual era dono, para a empresa de Dirceu entre 2011 e 2012. 

As revelações dos delatores permanecem em segredo na Justiça até o momento. No STF, outros pedidos de acesso à delação de Pessoa já foram negados por Zavascki. O ministro do Supremo já negou acesso à delação do dono da UTC aos ministros da Comunicação Social, Edinho Silva, e da Casa Civil, Aloizio Mercadante, aos senadores senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) e Edison Lobão (PMDB-MA) e ao advogado Tiago Cedraz, filho do presidente do TCU Aroldo Cedraz. O entendimento do ministro é de que a delação só pode ser tornada pública após acusação formal por parte do Ministério Público com relação a eventuais investigados.

A partir das revelações feitas pelo dono da UTC, a Procuradoria-Geral da República (PGR) deve reforçar investigações já em curso e também solicitar abertura de novos inquéritos, para apurar casos que ainda não estavam sob análise dos investigadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.