Dirceu nega aparelhamento do Estado

O ministro da Casa Civil, José Dirceu, disse hoje, depois de fazer uma exposição sobre contratações e concursos realizados pelo governo, que não aceita a acusação de que o PT estaria aparelhando o Estado, contratando pessoas pelo critério partidário. "Querem nos impingir a fama de aparelhamento do Estado. Isto não corresponde à verdade e não corresponde ao que fizeram os outros governos a partir de 1985", afirmou. Dirceu falou também sobre a atuação do governo na fiscalização e combate à corrupção. Segundo ele, as autuações da Receita Federal somam R$ 62 bilhões. Ele lembrou ainda a "operação gafanhoto", que desmontou quadrilha de funcionários fantasmas em Roraima e a "operação vampiro", que desbaratou quadrilha de desvio de recursos públicos no Ministério da Saúde. Depois de fazer uma exposição sobre o Fome Zero, a Bolsa-Família e a Merenda Escolar, o ministro afirmou que "isto não é retórica, isto é fato" e mostra que o governo não perdeu o rumo de sua atenção social, apesar das dificuldades que tem enfrentado. Dirceu citou dados como o atendimento a 37,5 milhões de crianças pelo programa da Merenda Escolar, com aumento nos valores remetidos de 116%. Além disso, apontou o aumento das transferências de renda para os programas sociais de R$ 2,2 bilhões em 2002 para R$ 5,3 bilhões em 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.