Dirceu diz que foi incompetente no caso Waldomiro

Em um longo e emocionado discurso, nesta terça-feira à noite, no encontro em que foi homenageado pelos seus 58 anos, o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, confessou que tem sido ?incompetente? para resolver a crise causada pela denúncia de corrupção praticada por seu ex-assessor Waldomiro Diniz. ?Eu passei nesses 32 dias ? não tenho vergonha de confessar ? os piores momentos de minha vida. Eu durmo tranqüilo, tenho consciência tranqüila, mas não me conformo com minha incompetência de não ter dado conta e resolvido esse problema, me dói no fundo da alma.? O discurso foi feito no Fórum Nacional de Prefeitos e Prefeitas do PT - no qual, à tarde, havia falado o presidente Lula. Com os olhos marejados, Dirceu disse que não haverá mudanças na política econômica e elogiou o ministro Antônio Palocci, da Fazenda. ?Não é verdade que no núcleo do governo exista oposição às medidas que são adotadas. Existe solidariedade, coesão e apoio, mas não somos vacas-de-presépio nem somos um partido ou um governo antidemocráticos. Debatemos, discutimos e fazemos propostas no partido e no governo.? E foi aplaudido demoradamente pelas cerca de 300 pessoas presentes.O ministro citou as suspeitas de que teria negócios irregulares com Waldomiro. ?Na verdade, gostaria de falar o que não posso falar, vou deixar para falar daqui a 15, ou 30 dias?, disse. ?Quero colocar pingos nos is. Não vou deixar nada sem resposta, mas não é o momento adequado.? No discurso, Dirceu contou que é ?muito duro? passar por essa situação.O ministro chamou os militantes a enfrentar a aliança de forças que se opôs ao presidente Lula na campanha, aliança que ?sonha com a paralisia do governo, a divisão do núcleo político do governo e até divergências entre as Forças Armadas e o governo?. Afirmou que as críticas dos oposicionistas a ele são uma forma de iniciar a disputa eleitoral deste ano e pediu empenho dos petistas. ?Estamos vivendo a reconstrução da aliança que nos enfrentou (em 2002). Sonham em nos derrotar em 2004.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.