Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Dirceu diz que corrupção predominou em "passado recente"

O ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, disse hoje que a corrupção predominou "em um passado recente" nos negócios do Estado, inclusive nas privatizações. No discurso durante a cerimônia de divulgação do Relatório do Desenvolvimento Humano 2003, que apresenta o Índice de Desenvolvimento Humano no Brasil e em outros países do mundo, Dirceu disse que, para evitar que se repita no País fatos e cenas de um passado recente, a Controladoria Geral da União está sendo reorganizada para acompanhar com rigor a destinação dos recursos públicos. "A corrupção predominou nos negócios do Estado, inclusive em decisões que foram tomadas em áreas importantíssimas, como foi o caso das privatizações", afirmou o ministro. "A corrupção é um problema grave no nosso país e o nosso governo tem se pautado pela condução transparente, democrática e ética dos negócios do Estado", acrescentou. Ainda em seu discurso, José Dirceu defendeu as reformas constitucionais. Segundo ele, reformas como a tributária, agrária, trabalhista e previdenciária são mudanças que asseguram a distribuição de renda. "Não basta fazer o ajuste fiscal. A economia tem de crescer. Mas não basta.Ela já cresceu 9, 11, 12% durante anos e agravou-se o problema social e a concentração de renda no País", afirmou o ministro. Ele ressaltou que o governo reduzirá os juros, mas não citou prazos. De acordo com o relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o Brasil cresceu 16 posições na classificação do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), desde 1975, ocupando atualmente a 65ª posição. Apesar desse crescimento, o Brasil está atrás de países como México (55%), Antígua e Barbuda (56ª), Panamá (59%) e Colômbia (64%). A Noruega ocupa a primeira posição.

Agencia Estado,

08 de julho de 2003 | 12h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.