Dirceu diz que cargos sem concursos vão reestruturar Estado

O ministro da Casa Civil, José Dirceu disse hoje que a decisão do governo de contratar mais de 3 mil pessoas sem concurso público é uma medida "necessária para a reestruturação e a modernização da máquina administrativa". Segundo ele, a administração pública está se reorganizando. "Foram dez anos de sucateamento. Como o governo pode atender? O Estado precisa funcionar", afirmou. Segundo o ministro, a contratação dos funcionários não será de uma vez e "não passa de R$ 40 milhões" o gasto. "Vários órgãos estão paralisados e têm necessidade de reestruturação e/ou de modernização", justificou Dirceu.Ele citou a Embrapa, a Funai, o Cade, o Ibama, a Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras, órgão do Ministério da Fazenda). O governo, segundo o ministro, até o momento não criou cargos, apesar dos concursos que está promovendo e da reorganização. "Acho absolutamente razoável o que foi feito, dentro dos padrões éticos e transparentes. Os cargos são necessários, e com esses DAS (cargos em comissão) vamos fazer as reestruturações" disse.Questionado se não estaria havendo contradição do governo na contratação de pessoas sem concurso num momento em que o desemprego no País é tão grande, ele disse que "a máquina pública necessita de funções que são de DAS como qualquer organização social e empresa." Segundo o ministro, o governo está atendendo "com transparência" as demandas sociais e administrativas do País. Dirceu disse que um problema são os cargos nos DAS 4, 5 e 6, que, por significarem salários baixos, dificultam a contratação de pessoas na administração pública. Ele afirmou que não haverá aumento de salários para esses cargos, já que houve "equalização" em relação a eles.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.