Dirceu defende controle sobre imprensa e Ministério Público

O ministro-chefe da Casa Civil,José Dirceu, defendeu hoje a adoção de mecanismos decontrole sobre a atuação da imprensa, dos parlamentares e doMinistério Público. O argumento é o combate ao vazamento deinformações protegidas por sigilo legal. "O que não pode no País, seja imprensa, parlamentares ou promotores, é vazar informaçõessigilosas de empresas ou pessoas físicas", afirmou o ministro,sem fazer distinção entre o que é a violação de segredo deJustiça e a divulgação da informação vazada, um direitoconstitucional da imprensa. Além da chamada "lei da mordaça", que pune com maiorrigor as violações de dados protegidos por sigilo legal, ogoverno, segundo Dirceu, prepara legislação para definir aresponsabilidade de quem faz escutas telefônicas. "Não podepegar o adversário político nem pode divulgá-lo na imprensa ouna internet. Senão, o Brasil vira o estado de arbítrio." Em visita de campanha a uma favela em companhia docandidato do PT a prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel,Dirceu disse que o presidente do Banco Central, HenriqueMeirelles, deve explicações à sociedade sobre as acusaçõesveiculadas na imprensa, mas não pode haver pré-julgamento. Eleusou, também como exemplo, um caso que costuma evitar: o do seuex-assessor, Waldomiro Diniz, afastado por denúncias decorrupção. "O juiz considerou inepta a denúncia e mandou apolícia refazer o inquérito. Quem fez a denúncia? O MinistérioPúblico!"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.