Dirceu acusa PT gaúcho de construir sede com caixa 2

Em entrevista, ele ataca Raul Pont e Olívio Dutra e defende Delúbio

Clarissa Oliveira, O Estadao de S.Paulo

04 de janeiro de 2008 | 00h00

O ex-ministro da Casa Civil e deputado cassado José Dirceu afirmou em entrevista à revista Piauí deste mês que recursos de caixa 2 financiaram a construção da sede do PT em Porto Alegre, um dos principais redutos da sigla. A revelação foi feita em meio a uma bateria de ataques aos também petistas Raul Pont, ex-prefeito de Porto Alegre, e Olívio Dutra, presidente do partido no Estado."Ele fica falando que o partido não precisa de coligação... Tenha paciência", disse Dirceu sobre Pont, segundo a revista. "O que fizemos por esse pessoal não é brincadeira. E eles não ajudam em nada, só nos dão pau." Dirceu disse que a sede de Porto Alegre "foi feita só com dinheiro de caixa 2". "Era com mala de dinheiro."Dirceu lembrou que seu grupo no PT se manteve ao lado de Olívio, quando a denúncia atingiu seu governo. "A gente estava com eles, não os abandonamos em nenhum minuto." Hoje no PSOL, a ex-petista Heloísa Helena também foi alvo. "Ela votou contra a cassação do Luiz Estevão. Votou mesmo, e por motivos impublicáveis. Mas nunca a deixamos sozinha."O ex-deputado afirmou que "esse pessoal" procurava o então tesoureiro do partido, Delúbio Soares, peça-chave do esquema do mensalão, para pedir dinheiro. "Chegava para Delúbio e falava: ?Delúbio, preciso de 1 milhão.? Como é que alguém vai arrumar esse dinheiro assim, de uma hora para outra?", argumentou. Quando não recebiam, prosseguiu o ex-ministro, diziam que a direção era autoritária e privilegiava sua própria corrente. "O pobre do Delúbio tinha de ir aos empresários conseguir doações. Aí, estoura o mensalão e esse pessoal vem dizer que o Delúbio era o homem da mala. O que não dizem é que a mala era para eles."Ele não poupou o novo presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), a quem chamou de "gaiato". "Já trocou o guarda-roupa e deve estar arrumando os dentes, e isso vai dar um trabalho danado", afirmou ele, condenando ainda o fato de Garibaldi e outros senadores serem proprietários de emissoras de rádio. "Esse Garibaldi tem duas rádios. E fica por isso mesmo." E voltou o discurso para o senador Jefferson Péres (PDT-AM). "Fica aí posando de arauto da moralidade e a mulher trabalha no gabinete dele. É nepotismo."Na entrevista, Dirceu tratou ainda da eleição de 2010. Admitiu que as ministras Dilma Rousseff (Casa Civil) e Marta Suplicy (Turismo) têm poucas chances de vitória. "Se eu ainda tivesse a petulância de me candidatar à Presidência, era capaz até de ser eleito."Ontem, Dirceu esclareceu, por meio de sua assessoria, que não teve a intenção de apresentar denúncia ao falar sobre o PT de Porto Alegre. Disse que apenas repetiu acusação feita pela oposição ao partido no Estado, que não foi provada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.