Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Diplomacia não refletirá mais preferências ideológicas de partido político, diz Serra

Tucano tomou posse no ministério das Relações Exteriores nesta quarta-feira; na semana passada, divulgou notas criticando países latino-americanos que falam em 'golpe' no Brasil

Bernardo Caram e Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2016 | 15h08

BRASÍLIA - Em discurso de transmissão de cargo marcado por elevado tom de críticas ao governo do PT, o novo ministro das Relações Exteriores, José Serra, anunciou nesta quarta-feira, 18 uma forte mudança na política externa brasileira. Ele apresentou novas diretrizes que serão usadas como guia dos trabalhos do Itamaraty a partir de agora.

“A diplomacia voltará a refletir os legítimos valores da sociedade brasileira, e não mais as preferências ideológicas de um partido político”, disse, destacando que as atividades do ministério deve servir ao País, e não ao governo.

Em meio a críticas de países latino-americanos, como Venezuela, Cuba e Bolívia, que afirmaram não reconhecer o governo do presidente em exercício Michel Temer, Serra deixou um recado em sua fala. “Estaremos atentos à defesa da democracia e ao princípio da não ingerência”, afirmou, sem fazer uma referência direta.

No final da semana passada o novo ministro já havia dado sinais de como atuará à frente do ministério. Serra distribuiu duas notas repudiando às acusações de que o processo de impeachment é um "golpe de Estado". Uma delas foi contra Ernesto Samper, secretário-geral da Unasul, a União das Nações Sul-Americanas.

Negociações. O ministro das Relaçõestambém afirmou que o País vai deixar de apostar apenas em negociações diplomáticas multilaterais, por meio da Organização Mundial do Comércio (OMC), e dar importância a acordos bilaterais. Para ele, as tratativas no âmbito da OMC não vêm prosperando com celeridade. "Brasil manteve-se à margem de negociações bilaterais, vamos vencer esse atraso", afirmou, numa crítica à atuação do País durante a gestão do PT.

Sobre a troca de ofertas entre Mercosul e União Europeia, realizada recentemente, o ministro afirmou que é o ponto de partida para promover o avanço do comércio entre as duas regiões. “Agora, vamos examinar quais são as ofertas da União Europeia”, disse.

Ele ressaltou que o fato de o País selar acordos não significa que as exportações serão ampliadas imediatamente. Para isso, seria preciso aumentar a produtividade e reduzir o custo Brasil. Com essa finalidade, sem dar detalhes, ele disse que o governo vai trabalhar na eliminação das distorções tributárias que encarecem as exportações.

Serra também destacou que o Brasil irá assumir responsabilidade na área ambiental, considerando a riqueza de recursos presentes no País. 

África. O ministro fez, ainda, críticas à relação entre o Brasil e a África durante a gestão do PT na Presidência da República. Segundo o tucano, a África moderna não pede compaixão, mas efetivo intercâmbio. “Não pode essa relação restringir-se a laços fraternos do passado”, afirmou.

A declaração se contrapõe ao discurso feito logo antes pelo embaixador Mauro Vieira, de quem herdou o cargo. “Tratamos de diversificar o contato com países dos mais distintos níveis de desenvolvimento”, disse Vieira, destacando que a África é uma região com crescente participação global.

Serra afirmou também que, no governo Temer, o Itamaraty voltará ao núcleo central do governo. “Quero progressivamente retirar o Itamaraty da penúria deixada pela irresponsabilidade fiscal”, declarou, ao dizer que vai recuperar a capacidade de ação do ministério.

Sobre a relação com os Estados Unidos, Serra disse que quer soluções práticas e de curto prazo para a redução de barreiras tarifárias. Ele também destacou a importância da relação com a Argentina, bom com o continente asiático, principalmente a China.

Fronteiras. O ministro disse ainda que o País precisa avançar na proteção de fronteiras, avaliando que hoje “é o lugar do desenvolvimento do crime organizado no País”. Segundo ele, será feita colaboração entre os ministérios da Justiça, Defesa e Fazenda, bem como mobilizar a cooperação com Países vizinhos. 

Em sua sua fala, Serra também agradeceu a Michel Temer por ter lido e revisado o novo delineamento da política externa que será implementado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.