Dinheiro repatriado de Nicolau ficará em juízo

Quando chegarem ao Brasil, os US$ 4,389 milhões do ex-juiz Nicolau dos Santos Neto deverão ser depositados em uma conta bancária vinculada ao Tribunal Regional Federal (TRF). Lá deverão ficar, como uma espécie de depósito judicial, até que a Justiça brasileira decida definitivamente as ações existentes contra o ex-magistrado acusado de envolvimento no desvio de recursos da obra do Fórum Trabalhista de São Paulo.A repatriação do dinheiro que estava em uma conta do Banco Santander de Genebra foi determinada pela Justiça suíça. Se os advogados de Nicolau não recorrerem da decisão, a Advocacia Geral da União (AGU) estima que o montante chegará ao Brasil em poucas semanas. Se houver recurso, isso ocorrerá apenas no primeiro semestre do próximo ano.Além dos US$ 4,389 milhões garantidos na Suíça, a AGU conseguiu em 2002 recuperar US$ 835 mil resultantes da venda de um apartamento que o ex-juiz mantinha no balneário norte-americano de Miami. Especialistas do governo estão à procura de pelo menos outros US$ 2 milhões. Com isso, seria atingida a recuperação da cifra de US$ 7 milhões, divulgada no passado pelo governo. Essa quantia é mínima perto dos R$ 251,059 milhões que teriam sido desviados da obra do Fórum Trabalhista.De acordo com a AGU, ao aceitar o pedido de repatriação do dinheiro, o juiz Claude Wenger, do Cantão de Genebra, levou em consideração o fato de Nicolau dos Santos Neto já ter sido condenado em primeira instância no Brasil por tráfico de influência e lavagem de dinheiro. Wenger também teria concluído que as provas e argumentos apresentados demonstravam a origem ilícita do dinheiro, segundo a AGU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.