Dilma volta a negar pressão à secretária da Receita

'Afirmo que tive reuniões com ela (Lina Vieira), que não foram a que ela relatou', esclareceu a petista

Paulo Reis Aruca, de O Estado de S.Paulo

17 Julho 2010 | 19h20

SÃO PAULO - A candidata do Partido dos Trabalhadores à presidência da República, Dilma Roussef, voltou a negar que tenha se encontrado com a ex-secretária da Receita Federal, Lina Vieira, para pressioná-la à encerrar uma investigação fiscal contra a família Sarney. "Afirmo que tive reuniões com ela (Lina Vieira), que não foram a que ela relatou", disse, no inicio da tarde deste sábado, 17, antes de encontro político realizado em Jales, no interior de São Paulo.

 

A ex-ministra voltou a ser questionada sobre a denúncia da controversa reunião com Lina Vieira, supostamente ocorrida em 9 de outubro de 2008, porque a revista Veja publicou reportagem neste sábado trazendo uma nova versão que confirmaria a história contada pela ex-secretária da Receita federal. "Não tive acesso ainda à reportagem e não acredito nisto", reafirmou.

 

Segundo a revista Veja, o técnico de informática Demetrius Sampaio Felinto revelou que existe cópia da suposta reunião gravada no circuito interno de TV do Palácio do Planalto.

 

Única maneira de provar que diz verdade, se Dilma ou se Lina Vieira, as imagens teriam sido apagadas, segundo informações divulgadas à época do escândalo pelo serviço de segurança da Presidência, levando o caso a ser encerrado.

 

À Veja, Felinto disse mais. Que vinha sofrendo pressão para não revelar a existência do vídeo. Ainda segundo a revista semanal, o denunciante vinha há sete meses negociando com o comitê de campanha do PT a não divulgação das imagens. E que também vinha tentando obter vantagem para divulgar ou não, dependendo do interesse de quem se propusesse a pagar.

 

A reportagem de Veja reacende o escândalo e traz de volta a suspeita de que um crime grave foi praticado pela candidata de Luis Inácio Lula da Silva à presidência da República.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.