Dilma volta a defender assento para Brasil no CS da ONU

A presidente Dilma Rousseff retomou hoje, na primeira visita de um chefe de governo ao Palácio do Planalto em seu mandato, a campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por um assento permanente no Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU). No discurso de recepção ao primeiro-ministro do Timor Leste, Xanana Gusmão, Dilma defendeu mudanças na estrutura da ONU. "Quero salientar o quanto o Brasil aprecia o reiterado apoio do Timor Leste ao pleito brasileiro por um assento permanente no Conselho de Segurança", afirmou.

LEONENCIO NOSSA, Agência Estado

03 de março de 2011 | 15h02

No discurso, lido, a presidente disse que o governo brasileiro continua empenhado em ajudar na consolidação do Timor Leste, país da Ásia que adotou a língua portuguesa e que foi ocupado pela Indonésia até 2002. Dilma citou o diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello, morto em atentado no Iraque, pelo trabalho em prol da independência do Timor.

Em acordos assinados hoje, Dilma renovou uma parceria para formação de professores e policiais no Timor Leste, contribuição em projetos voltados para jovens carentes e aperfeiçoamento da previdência. Atualmente, o Brasil e o Timor Leste têm 12 projetos de parceria em execução, como a manutenção de cursos de alfabetização e computação e um acordo na área de defesa e segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.