Dilma volta à carga em favor de Haddad

A presidente Dilma Rousseff voltou na segunda-feira (24) ao horário eleitoral de Fernando Haddad (PT), que concorre à Prefeitura de São Paulo, para reforçar na TV a ideia de que ele seria o candidato dos mais pobres. O programa noturno foi inteiro voltado a propostas para melhorar a vida das pessoas mais carentes, que, segundo Haddad, seriam tratadas com "descaso" pela atual administração.

ISADORA PERON, Agência Estado

25 de setembro de 2012 | 09h36

"Nosso maior desafio é melhorar a vida de milhões de pessoas que passaram para a classe média. Também fazer prosperar os que ainda estão na pobreza. (Haddad) nos ajudou a melhorar o Brasil e pensa sinceramente nos mais pobres", afirmou Dilma. "Juntos podemos fazer muito pelos que moram nos bairros mais esquecidos de São Paulo."

No domingo, reportagem do jornal O Estado de S. Paulo mostrou que, mesmo após o nome de Haddad se tornar conhecido, o candidato do PRB, Celso Russomanno, continua liderando as intenções de voto em redutos petistas na periferia. Essa situação preocupa o comando do PT. No domingo (23) à noite, Haddad recebeu deputados e vereadores do partido para discutir como recuperar o voto petista "roubado" por Russomanno.

Na segunda-feira (24), o programa de rádio de Haddad atacou nominalmente o candidato do PRB. Depoimento de uma suposta eleitora comparou Russomanno a Celso Pitta (1997-2000), apadrinhado político de Paulo Maluf (PP) que chegou a ser afastado do cargo. O líder nas pesquisas também foi comparado ao ex-prefeito por José Serra (PSDB) e Gabriel Chalita (PMDB) no rádio.

?Mãos erradas?

À noite, na TV, o peemedebista foi ainda mais incisivo contra o adversário do PRB. Chalita usou todo o seu tempo no horário eleitoral para afirmar que, se Russomanno for eleito, a cidade vai cair em "mãos erradas". O candidato do PMDB também destacou o fato de os dirigentes do PRB serem ligados à Igreja Universal. "Será que é uma boa misturar religião com política?", questionou.

A intenção de Chalita foi se colocar como único candidato com chance de vencer Russomanno no segundo turno, pois contaria tanto com o apoio do PT quanto o do PSDB. O argumento é que, se Serra avançar na disputa, não vai receber o apoio de Haddad e vice-versa. "A minha ida para o segundo turno é a única garantia de unir PMDB, PSDB, PT e os outros partidos contra uma aventura", afirmou.

"Todas as vezes que o cansaço com os políticos falou mais alto do que a razão, São Paulo acabou escolhendo prefeitos muito piores do que os políticos que a cidade rejeitava. Foi assim com o Pitta, foi assim com o (atual prefeito Gilberto) Kassab", disse.

Na segunda-feira, o PMDB divulgou nota negando que esteja negociando com o governo a ida de Chalita para o Ministério da Educação, em troca de apoio a Haddad num eventual segundo turno. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012SPDilmaHaddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.