Dilma volta a afirmar que não anistiará desmatamento

Durante audiência com integrantes da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf), na tarde de hoje, a presidente Dilma Rousseff reiterou, como havia afirmado mais cedo, que não vai anistiar desmatamento. Sobre a prorrogação do decreto assinado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que pune os produtores rurais que não registraram a reserva legal em seus imóveis, a presidente não vai discutir o tema até que se chegue perto do prazo de sua expiração. O decreto vence em 11 de junho.

TÂNIA MONTEIRO, Agência Estado

26 de maio de 2011 | 18h44

Pela manhã, em evento no Palácio do Planalto, a presidente criticou a aprovação, pela Câmara, de emendas ao projeto do novo Código Florestal e rebateu críticas de que esteja colaborando com os desmatadores.

"Não sou a favor da consolidação do desmatamento ou da anistia ao desmatamento." E explicou: "O Brasil teve uma prática que não pode se deixar repetir. Muitas vezes se anistiava dívidas e anistiava novamente e se anistiava novamente. O desmatamento não pode ser anistiado não por vingança. Mas porque as pessoas precisam perceber que o meio ambiente é algo muito valioso e que é possível preservá-lo e produzir alimentos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.