Dilma visitará Portugal com Lula em 29 e 30 de março

Na viagem, ex-presidente vai receber título de doutor honoris causa da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra

BBC Brasil, BBC

22 de março de 2011 | 15h42

O ministro de Relações Exteriores, Antonio Patriota, confirmou nesta terça-feira em São Paulo que a segunda viagem oficial da presidente Dilma Rousseff ao exterior será para Portugal, nos dias 29 e 30 de março.

Segundo nota divulgada pelo Palácio do Planalto, Dilma viajará acompanhada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que no dia 30 deve receber o título de doutor honoris causa da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra.

Analistas avaliam que a presença de Dilma na homenagem visa mostrar que ela continua ligada a Lula, apesar das opiniões de que ela tem se afastado do antecessor.

Em Lisboa, Dilma deverá se reunir com o presidente de Portugal, Aníbal Cavaco Silva, e com o primeiro-ministro, José Sócrates.

China. Depois de Portugal, Dilma deve viajar à China entre 12 e 15 de abril, onde visitará as cidades de Pequim, Sanya e Boal.

A visita, segundo o Planalto, tratará de assuntos econômicos, embora a agenda inclua reuniões com o presidente chinês, Hu Jintao, e com o primeiro-ministro Wen Jiabao.

Durante a viagem, Dilma participará de uma reunião do Bric, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia e China, e de um fórum entre países asiáticos.

A primeira visita de Dilma ao exterior após assumir a Presidência foi à Argentina, em 31 de janeiro.

Segundo o Itamaraty, a opção pela Argentina refletiu a importância do país vizinho e da América do Sul para a política externa brasileira.

"Não é por acaso que fiz questão de que meu primeiro contato com o exterior fosse com a Argentina. Considero os dois países cruciais para transformar a América Latina no Século 21", disse a presidente brasileira, durante a viagem.

  BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.