Roberto Stuckert Filho|PR
Roberto Stuckert Filho|PR

Dilma viaja para conhecer neto que nasceu nesta quinta

Dilma chegou a Porto Alegre antes das 15h e passou a tarde ao lado da família no hospital da capital gaúcha; do lado de fora, quatro pessoas fizeram um protesto em crítica ao fato de o bebê ter nascido em um hospital particular

Tânia Monteiro, Carla Araújo e Gabriela Lara, correspondente, O Estado de S. Paulo

07 de janeiro de 2016 | 08h58

Atualizada às 18h34

BRASÍLIA - A presidente da República, Dilma Rousseff, passou a tarde desta quinta-feira, 7, ao lado da família no Hospital Moinhos de Vento, na capital gaúcha, onde nasceu nesta manhã seu segundo neto, Guilherme. A presidente chegou ao local pouco antes das 15h, logo após aterrissar no Aeroporto Internacional Salgado Filho. Os carros que entraram com Dilma nas dependências do hospital foram embora por volta das 17h. Ela não teve nenhum contato com a imprensa.

A filha de Dilma, Paula, deu à luz às 7h11. Guilherme nasceu de cesariana, com 3,940 quilos e 51 centímetros. Paula já é mãe de Gabriel, que tem 5 anos.

Por volta das 17h30, foi publicada nos perfis oficiais da presidente nas redes sociais uma foto de Dilma com o bebê. "Apresento a vocês meu neto Guilherme. Assim como Gabriel, vai alegrar a minha vida", diz o texto que acompanha a postagem.

Protesto. Enquanto Dilma estava no hospital, quatro pessoas fizeram um protesto em frente ao portão de acesso por onde a comitiva presidencial entrou. Os manifestantes carregavam cartazes que criticavam o fato de o neto de Dilma ter nascido em um hospital particular. "Elite petista = hospital de luxo. Pobre = fila do SUS", dizia uma dos textos.

"Nada contra vir a um hospital privado, mas desde que seja com o seu dinheiro. A população brasileira está cansada de corrupção", afirmou a analista fiscal Bruna Sipel, de 26 anos, que participou do protesto. Depois que Dilma deixou o hospital, o grupo se dispersou.

Boletim médico. No final da tarde, a equipe médica que atende a filha de Dilma concedeu uma breve coletiva no hospital. De acordo com o obstetra Gustavo Steibel, Paula entrou em trabalho de parto por volta da meia-noite. Como ela não teve progressão da dilatação, foi necessário realizar uma cesariana. O bebê nasceu com 40 semanas e quatro dias.

"Mãe e filho passam bem e sairão do hospital em 48 ou 72 horas", disse o médico. "O bebê está ótimo e mama muito bem."

A assessoria de imprensa da Presidência ainda não informou quando a presidente retorna a Brasília. Hoje de manhã, antes de embarcar para Porto Alegre, ela participou de um café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto. Na ocasião, ela afirmou que não sabia quantos dias ficaria na capital gaúcha porque ia depender do que estivesse acontecendo em Brasília.

Ex-marido. O advogado Carlos Araújo, ex-marido da presidente Dilma Rousseff, também visitou a filha, Paula, e o neto recém-nascido na manhã desta quinta. "Está bonitão, puxou pelo avô", brincou em conversa com o Broadcast. O bebê era aguardado desde o final de dezembro. A presidente esteve em Porto Alegre tanto no Natal como no Ano Novo para ficar ao lado da família.

Araújo confirmou que Dilma estaria em Porto Alegre no início desta tarde para conhecer o neto. "Ela chega de Brasília por volta das 13h", disse. Ele, no entanto, não sabe se a ex-mulher voltará para a capital federal ainda nesta quinta ou se permanecerá mais tempo na capital gaúcha. "Ainda não consegui conversar com ela sobre isso." Araújo, ex-deputado estadual pelo PDT, é uma espécie de "conselheiro informal" da presidente e sempre recebe a visita de Dilma quando ela vem à cidade.

De acordo com o avô, o neto mais velho, Gabriel, não estava enciumado com a perspectiva de ganhar um irmão. "Ele está bem preparado, mas vamos ver agora", contou.

Araújo revelou que a filha queria parto normal, mas não teve dilatação suficiente, por isso foi realizada uma cesariana. Mãe e filho passam bem e devem deixar o hospital até o próximo sábado. Paula tem 40 anos e é procuradora do Trabalho no Rio Grande do Sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.